REUTERS/Denis Balibouse
REUTERS/Denis Balibouse

CENÁRIO: Armas nucleares voltam aos planos de defesa do país

Noca estratégia nuclear do Pentágono prevê a introdução de dois novos tipos de armas, encerrando esforços de redução do tamanho do arsenal nuclear da era Barack Obama

O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2018 | 05h00

A nova estratégia nuclear do Pentágono pede a introdução de dois novos tipos de armas, efetivamente encerrando os esforços da era Barack Obama para reduzir o tamanho e o alcance do arsenal americano e o papel das armas nucleares nos planos de defesa. 

+ Estados Unidos reveem arsenal nuclear e ameaçam Rússia

A política do governo Obama tinha como base o que o ex-presidente chamava de obrigação moral de os EUA serem um exemplo nos esforços de livrar o mundo das armas nucleares. Mas os funcionários do governo Trump e militares americanos dizem que o enfoque do ex-presidente provou ser idealista, particularmente diante do fato de a Rússia ter se tornado novamente um rival. 

Eles argumentam que as ameaças mudaram drasticamente desde a divulgação da última estratégia nuclear do Pentágono, com a Rússia voltando a ser um adversário geopolítico e tanto Moscou quanto Pequim estarem investindo em seus arsenais nucleares.

A Coreia do Norte, por sua vez, está perto de ter um míssil capaz de atingir o continente americano, trazendo novamente a ameaça de um conflito nuclear à psique americana pela primeira vez desde o fim da Guerra Fria. A volatilidade de Trump também trouxe aos americanos mais preocupações com o fato de o presidente ter autoridade de ordenar um ataque nuclear.

A Rússia tem um arsenal de armas nucleares de pequeno porte maior que o dos EUA. O Pentágono teme que Moscou possa tomar parcial ou totalmente um país aliado dos EUA e detonar uma pequena arma nuclear para impedir que as forças americanas tentem uma reação.

Washington seria forçado a escolher entre lançar um ataque em larga escala contra a Rússia ou responder com armas convencionais, o que faria o governo americano parecer fraco. Por isso o Pentágono quer um armamento proporcional para fazer frente a esse tipo de ameaça. O Pentágono também quer reintroduzir um submarino lançador de mísseis de cruzeiro, que o governo Obama havia retirado do arsenal.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.