U.S. Air Force photo by Senior Airman Ian Dudley
U.S. Air Force photo by Senior Airman Ian Dudley

Cenário: EUA exibem arma intercontinental

O Pentágono só confirmou 36 horas mais tarde o ensaio do poderoso foguete balístico de alcance intercontinental, portador de uma ogiva nuclear de 475 kilotons, cerca de 500 mil quilos de explosivo convencional, tipo TNT

Roberto Godoy, O Estado de S. Paulo

29 Abril 2017 | 05h00

Passava pouco da meia noite, há três dias, quando o gigante saiu de dentro da terra rugindo e despejando fogo na Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia – o primeiro teste em muito tempo de lançamento real de um míssil Minuteman III, da Força Aérea dos Estados Unidos, foi um sucesso comemorado com discrição.

O Pentágono só confirmou 36 horas mais tarde o ensaio do poderoso foguete balístico de alcance intercontinental, portador de uma ogiva nuclear de 475 kilotons, cerca de 500 mil quilos de explosivo convencional, tipo TNT. Esse poder pode ser muito maior. Uma das versões do míssil leva três cargas que podem ser direcionadas contra diferentes alvos.

O exercício de disparo foi conduzido pela 30ª Ala Espacial da Força Aérea. Segundo o coronel John Moss, comandante do grupo, “a operação é necessária para a manutenção em nível elevado de nossa prontidão, eficiência e precisão”. Na madrugada de quarta-feira, o Minuteman percorreu aproximadamente 6.400 quilômetros até o ponto de descida, no atol de Kwajalein, nas Ilhas Marshall.

Em operação real teria chegado a mais de 10 mil km -- atingiria a Coreia do Norte, por exemplo. E foi essa a capacidade que a Casa Branca quis explicitar com o teste, autorizado diretamente pelo presidente Donald Trump. Fazia ao menos três anos que o Pentágono não fazia um lançamento de campo. As verificações de treinamento e disponibilidade dos mísseis tem sido feitas por simulação em grandes computadores.

Os Estados Unidos mantêm um arsenal de 450 Minuteman. Os silos subterrâneos de onde são lançados ficam espalhados pelo território americano, sob controle do Comando Global de Ataque. Em condição de crise, a guarnição de cada instalação recebe um código digital que deve ser validado por dois oficiais, dentro do abrigo, que acionam simultaneamente os dois botões – na verdade, duas chaves – de ignição dos motores. O míssil de três estágios mede 18.2 metros, equivalente a mais ou menos 6 andares, e pesa 35,3 toneladas. O custo unitário não é revelado. O programa de modernização da frota iniciado em 2005 já consumiu US$ 25 bilhões. 

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.