1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Chanceler turco diz que acordo sobre Síria é um ‘passo importante’ para fim da crise

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 12h 50

Para Mevlut Cavusoglu, partes envolvidas devem ‘abraçar a oportunidade’ e suspender os bombardeios aéreos, acabar com o ataque a civis e oferecer acesso a ajuda humanitária

ISTAMBUL, TURQUIA - Um acordo entre as grandes potências para suspender as hostilidades na Síria e fornecer ajuda humanitária representa "um passo importante" em direção a uma resolução da crise, disse o ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, em sua conta Twitter nesta sexta-feira, 12.

As partes envolvidas no conflito devem "abraçar esta oportunidade" que o acordo oferece para suspender os bombardeios aéreos, acabar com o ataque a civis e oferecer acesso a ajuda humanitária, disse Cavusoglu.

Sofrimento dos moradores de Alepo, na Síria
AP Photo/SANA
Sofrimento dos moradores de Alepo, na Síria

Moradores se reúnem em rua atingida por bomberdeios em Alepo, na Síria. O exército da Rússia interveio no território sírio em setembro de 2015 em apoio ao presidente Bashar Assad. Para Moscou, operação procura combater Estado Islâmico e outros jihadistas em guerra contra o regime. Contudo, países ocidentais acusam os russos de atacarem também a oposição considerada democrática

EUA, Rússia e mais de uma dezena de outras nações chegaram a um acordo em Munique, destinado a finalmente abrir caminho para uma transição política na país vizinho à Turquia.

Combate ao terror

O secretário de Defesa americano, Ashton Carter, disse que a Otan “explora a possibilidade” de unir-se como organização à coalizão internacional liderada pelos EUA para combater o grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

"Graças à liderança do secretário-geral (aliado), Jens Stoltenberg, estamos agora explorando a possibilidade de que a Otan se una à coalizão como um membro em si. Isto é um avanço significativo", declarou Carter em entrevista coletiva ao término de uma reunião de países-membros e observadores da coalizão em Bruxelas, na sede da Aliança Atlântica.

No momento, os 28 aliados da organização contribuem com a coalizão, mas não a Otan como instituição.

Segundo Carter, a Otan, como "novo membro, apresentaria capacidades únicas" na luta contra o EI, como "experiência em impulsionar capacidades de seus membros, formar forças terrestres e dar apoio para a estabilização".

O secretário de Defesa americano indicou que abordará o "papel adequado" da Aliança nesta coalizão com os aliados "nos próximos dias e semanas". /REUTERS, AFP e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX