1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Chargista do 'Charlie Hebdo' que sobreviveu ao atentado de 2015 elogia escolha da capa

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 14h 56

Para Riss, o jornal satírico 'deve estar onde os outros não ousam ir' e a ilustração para o aniversário do ataque mostra que a publicação sobreviveu 

O chargista do Charlie Hebdo Laurent Sourisseau, conhecido como Riss, sobrevivei ao atentado de 2015

O chargista do Charlie Hebdo Laurent Sourisseau, conhecido como Riss, sobrevivei ao atentado de 2015

O chargista Riss, que sobreviveu ao atentado jihadista há um ano contra a redação do jornal satírico francês Charlie Hebdo, afirmou que a publicação "deve estar onde os outros não ousam ir". Protegido por cinco guarda-costas, Riss conta com orgulho como os sobreviventes conseguiram fazer o jornal renascer, quando os jihadistas já cantavam vitória.

"Um periódico de combate, mas um combate divertido, disparatado, especialmente em prol do laicismo", classificou. A prova disso é a publicação nesta quarta-feira, 6, de um número de aniversário, mais ateu e satírico do que nunca, com uma capa que mostra um Deus armado e um editorial em defesa do laicismo, escrito por Riss.

"Charlie deve estar onde os outros não ousam ir. Para esta capa, queríamos ressaltar isso e tocar em coisas mais fundamentais. É a ideia em si de um Deus que nós, no Charlie, contestamos. Afirmar as coisas claramente faz refletir. É preciso agitar um pouco as pessoas, caso contrário elas permanecem em seus trilhos", explicou.

Desde o atentado de 7 de janeiro de 2015, o jornal conseguiu sobreviver a "um ano de combates semanais". "Combates por nossas ideias, e também para demonstrarmos que continuamos capazes de fazer isso. É a prova final, na qual vemos se vivemos ou se morremos, se acreditamos em nossas ideias ao ponto de superar este ano e sair vencedores. Se o jornal tivesse desaparecido, nossas ideias teriam desparecido um pouco", avalia o sobrevivente.

Apesar da chegada de 10 novos colaboradores, o vazio deixado pelos mortos, entre eles os célebres chargistas Cabu, Wolinski, Tignous, Honoré e Charb, continua sendo grande. "Pensamos neles sem parar. Para mim, não estão aqui, mas não desapareceram', declara.

Riss, que ficou gravemente ferido no atentado, quer que o jornal continue defendendo o laicismo na França e no mundo. /AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX