Kenzo Tribouillard/AFP
Kenzo Tribouillard/AFP

'Charlie Hebdo' reativa site nove meses após ataques terroristas

Versão digital terá a história do jornal, últimas notícias, charges e uma coluna do cartunista Riss, vítima do atentado 

O Estado de S. Paulo

22 Outubro 2015 | 13h02

PARIS - O jornal satírico francês Charlie Hebdo reativou seu site nesta quinta-feira, 22. A versão digital havia deixado de funcionar em janeiro, após os atentados realizados por dois jihadistas.

A publicação, que se tornou símbolo da liberdade de expressão após os ataques a sua redação, apresenta aos leitores virtuais um texto e uma caricatura exclusiva de segunda-feira a sexta-feira, além de traduzir o conteúdo para o inglês e ter uma audiência mais ampla.

Fontes do jornal informaram sobre a futura tradução para outras línguas e ressaltaram a forte demanda de um público estrangeiro que "antes não conhecia a Charlie Hebdo e nem sua identidade".

Neste novo espaço também será possível consultar a história da publicação, suas últimas notícias, três charges da edição semanal e a imagem de capas, antigas e novas.

Um cachorro com um exemplar do jornal na boca fugindo do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, o papa Francisco, um terrorista e um banqueiro protagonizam a primeira capa do jornal em sua volta ao mundo digital, a mesma que em 25 de fevereiro marcou o reinício após seis semanas de ausência.

Uma coluna com reflexões do cartunista e atual editor "Riss", ferido por um tiro durante o atentado que matou 12 integrantes da equipe, também terá um lugar fixo na página. O projeto, segundo seus criadores, continuará a evoluir com mais seções e novas charges. A versão definitiva só deverá ser lançada no início do próximo ano. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Charile Hebdo França Paris terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.