David Fernandez/Efe
David Fernandez/Efe

Chávez diz que Kadafi foi 'mártir' e sua morte, uma 'afronta'

Presidente venezuelano afirma que ditador líbio foi assassinado pelas potências ocidentais

Agência Estado

20 Outubro 2011 | 20h12

LA GRITA - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, expressou seu descontentamento nesta quinta-feira, 20, com a morte de Muamar Kadafi, chamando o ocorrido de "ofensa" e dizendo que o líder líbio deposto foi um "mártir", informou a AFP.

 

Veja também:

blog AO VIVO: Acompanhe as notícias sobre a morte de Kadafi

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

tabela ESPECIAL: Líbia pós-Kadafi

mais imagens GALERIA: Celebrações pelo fim do regime

 

"Infelizmente a morte de Kadafi foi confirmada", disse Chávez, que acaba de voltar à Venezuela após um tratamento contra o câncer em Cuba. "Eles o assassinaram, é outro ultraje. Devemos lembrá-lo como um grande lutador, um revolucionário e um mártir", disse.

 

Chávez tem defendido Kadafi desde o começo da revolta contra o regime dele em fevereiro e acusou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) de usar o conflito para controlar o petróleo da Líbia. "A coisa mais triste é que, em sua tentativa de dominar o mundo, o império e seus aliados estão fazendo isso com fogo", disse Chávez se referindo aos Estados Unidos.

 

O presidente venezuelano se recusou a reconhecer o novo regime líbio e ridicularizou o novo representante do país na ONU como "marionete" e "boneco". Em 2004, Chávez ganhou o prêmio Kadafi de Direitos Humanos, entregue pelo ex-líder líbio. Outros vencedores foram Fidel Castro, de Cuba, e Daniel Ortega, da Nicarágua. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.