REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Chavista dissidente denuncia Maduro por crimes contra a humanidade

Ex-procuradora Luisa Ortega entrega ao Tribunal Penal Internacional provas contra membros do governo chavista

O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2017 | 12h39

HAIA, HOLANDA- A ex-procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz denunciou nesta quinta-feira, 17, o presidente Nicolás Maduro e vários de seus ministros ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, na Holanda, por crimes contra a humanidade.

+O calote da Venezuela é apenas uma questão de tempo

Segundo ela, o governo chavista promoveu nos últimos dois anos um ataque sistemático contra a população civil, marcado por assassinatos,  torturas e prisões políticas. 

Segundo Ortega, foram entregues  documentos médicos, forenses e depoimentos que comprovariam os crimes. No total, ainda de acordo com ela, são mais de mil documentos probatórios. 

Entre janeiro de 2015 e junho deste ano, mais de 8 mil pessoas foram detidas de maneira arbitrária, informou Ortega. “Tivemos de recorrer a essa instância internacional porque não há Justiça na Venezuela”, disse ela. 

+Venezuela renegocia dívida de US$ 3 bilhões com a Rússia e ganha fôlego

Além de Maduro foram denunciados os ministros da Defesa, Vladimir Padrino, da Justiça, Nestor Reverol, o chefe do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin), Gustavo López, e o governador de Caracas, Antonio Torres.

O governo venezuelano ainda não se manifestou sobre as acusações. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.