Chefe da ONU vai a Mianmar tratar de ajuda a vítimas do ciclone

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon, vai visitar Mianmar nesta semana para discutir a problemática operação de ajuda às vítimas do ciclone, disse sua porta-voz no domingo, como um sinal de progresso na questão. A porta-voz Michele Montas também afirmou esperar a realização de uma conferência em Bangcoc, em 24 de maio, para organizar fundos para a operação de apoio ao país. "Eu posso confirmar que ele (Ban Ki-Moon) vai a Mianmar nesta semana", disse ela por telefone, acrescentando que ele deverá chegar ao país na quarta ou quinta-feira. Mark Malloch-Brown, o negociador do governo britânico para assuntos asiáticos, falou sobre a aproximação de um momento decisivo para a aceleração da ajuda internacional para milhões de pessoas vitimadas pelos ciclone Nargis, que atingiu Mianmar no início do mês. Than Shwe, o recluso líder da junta militar de Mianmar, apareceu em público no domingo pela primeira vez desde o início dos esforços de ajuda. A televisão estatal de Mianmar mostrou Than Shwe em encontro com ministros em Yangon envolvidos nas operações de resgate e visitando áreas atingidas pelo ciclone. John Holmes, secretário-geral-adjunto para Assuntos Humanitários da ONU, chegou a Yangon no domingo à noite e deveria entregar a mensagem de Ban Ki-Moon aos generais. Than Shwe se recusou a falar com Ban Ki-Moon pelo telefone desde que o país foi atingido pelo ciclone. Mas analistas especulam se a aparição em público em Yangon significaria que ele deverá se encontrar com Holmes ou possivelmente com Ban Ki-Moon. Milhares de crianças podem morrer em semanas se alimentos não chegarem à região a tempo, afirmou no domingo a organização Save the Children. O Programa Mundial de Alimentação (World Food Programme) afirmou que conseguiu entregar arroz e feijão para 212.000 das 750.000 pessoas em situação mais grave após o ciclone, que deixou pelo menos 134.000 mortos ou desaparecidos. A relutância à entrada de estrangeiros para assistência pelos militares de Mianmar, que dominam o país nos últimos 46 anos, parece estar baseada no temor de perder o controle do poder. (Reportagem adicional de Patrick Worsnip, Nopporn Wong-Anan e Ed Cropley)

AUNG HLA TUN, REUTERS

18 Maio 2008 | 14h28

Mais conteúdo sobre:
MIANMAR BANKIMOON

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.