AFP PHOTO/Yamil LAGE
AFP PHOTO/Yamil LAGE

Chefe de frente das Farc morre em operação militar colombiana

Guerrilheiro conhecido como Becerro havia participado de ataque em 2002 que terminou com 79 civis mortos

O Estado de S. Paulo

10 Março 2015 | 07h58

BOGOTÁ - O chefe da frente 57 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), José David Suárez, conhecido como Becerro, que participou de 2002 em um ataque no qual morreram 79 civis refugiados em uma igreja, morreu no Departamento (Estado) colombiano de Chocó em combates com o Exército e a polícia.

Suárez foi morto no lugar conhecido como Garval, sobre a margem direita do rio Opogadó, no município de Bojayá, informou na segunda-feira o Ministério da Defesa colombiano, em um comunicado. O confronto no qual morreu o chefe guerrilheiro aconteceu "durante operações de controle territorial" nessa região de selvas na fronteira com o Panamá, acrescentou a nota.

Segundo as autoridades, Becerro estava há 36 anos nas fileiras das Farc e era o encarregado de "coordenar o envio de cargas de cocaína para a América Central e a América do Norte.

O comunicado acrescenta que Suárez participou dos violentos combates de maio de 2002 entre as Farc e paramilitares durante os quais uma bomba lançada pela guerrilha caiu na igreja de Bojayá, onde estavam refugiados dezenas de moradores, matando 79 civis.

No dia 18 de dezembro a delegação das Farc que participa dos diálogos de paz com o governo colombiano em Cuba aceitou pela primeira vez sua responsabilidade nesse massacre.

A morte do chefe guerrilheiro em combate acontece mesmo após as Farc terem declarado uma trégua unilateral e indefinida no dia 20 de dezembro, como parte das negociações de paz com o governo colombiano, realizadas em Havana. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Farc Colômbia negociações de paz Becerro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.