Chelsea Manning é entrevistada na edição de setembro da 'Vogue'

Ela foi fotografada pela renomada Annie Leibovitz, uma das mais famosas fotógrafas do mundo

O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2017 | 15h19

WASHINGTON - Chelsea Manning, ex-analista de inteligência dos Estados Unidos que vazou segredos para o portal Wikileaks, é protagonista do número de setembro da revista Vogue, para a qual foi fotografada pela renomada Annie Leibovitz e conta como é a sua vida em liberdade. Ela divulgou a imagem na internet. 

 

Manning, de 29 anos, fala sobre sua vida em liberdade após ter ficado sete anos na prisão por ter vazado centenas de milhares de documentos sigilosos para o Wikileaks.

Os vazamentos foram na época a maior revelação de informação sigilosa sobre a chamada guerra contra o terrorismo dos EUA no mundo e puseram o Wikileaks na mira do governo de Washington.

Manning, que nasceu com o nome de Bradley e iniciou um processo de mudança de sexo após ser condenada a 35 anos de prisão, fala de sua etapa como transexual na área metropolitana de Washington e sobre sua nova vida em liberdade e como mulher.

"Não vivo com medo. Estou feliz por estar em liberdade e poder me deslocar", explicou à Vogue, onde aparece em traje de banho em fotos feitas por Leibovitz, uma das mais famosas fotógrafas do mundo.

Manning se mostrou surpresa pelo amor "que recebeu após ser posta em liberdade em maio passado, depois que o ex-presidente americano Barack Obama (2009-2017) comutou sua pena dias antes do fim de seu mandato, no começo deste ano.

A ex-analista de inteligência no Iraque, onde começou a recolher informação sigilosa, assegura que assume a responsabilidade pelas suas "decisões e ações", destacando que é necessário que possa se expor atos inadequados dos governos.

O número de setembro da Vogue coincide anualmente com a New York Fashion Week - o exemplar mais importante do ano.

Desta vez, o número coincide, além disso, com o 125º aniversário da publicação, que contará em seu capa com a atriz Jennifer Lawrence. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.