Esteban Felix/AP
Esteban Felix/AP

Chile tem debate acirrado antes das eleições presidenciais

Na última discussão pública entre os candidatos, ex-presidente Sebastián Piñera e o candidato governista Alejandro Guillier debateram sobre saúde, educação, migração e economia

O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 07h26

SANTIAGO - O ex-presidente do Chile Sebastián Piñera (Chile Vamos) e o candidato governista Alejandro Guillier (Força da Maioria) trocaram acusações e críticas na segunda-feira, no último e acirrado debate na televisão. As eleições ocorrem no próximo domingo, 17. 

No primeiro turno em novembro, Piñera recebeu 36% dos votos, contra 22% de Guillier. Os dois almejam suceder a presidente Michelle Bachelet. O terceiro lugar, com 20% dos votos, ficou com Beatriz Sánchez, uma jornalista de esquerda que jamais ocupou cargos eletivos. 

+ Piñera, o bilionário que pode reconduzir a direita ao poder no Chile

"Alejandro (Guillier) foi senador por quatro anos e um jornalista de destaque, mas coloco em dúvida que tenha a experiência, a equipe e o programa para tirar o Chile da estagnação e frustração que estamos hoje em dia", afirmou Piñera, um empresário milionário de 64 anos que foi o primeiro presidente de direita a governar o Chile (2010-2014) após 50 anos.

"Eu penso que ele (Piñera) foi presidente do Chile e não fez as coisas que agora anuncia, as prometeu mas muitas delas fracassaram," respondeu Guillier, senador e veterano jornalista de 64 anos.

No debate de duas horas, os candidatos falaram sobre educação, saúde, economia, migração e relações internacionais para tentar convencer os eleitores chilenos. As pesquisas apontam que o resultado do segundo turno será apertado.

+ No segundo turno da eleição no Chile, partidos liberam voto

"Não prometo o paraíso, mas prometo que o Chile vai crescer com força", afirmou Piñera. "É importante que o país tenha consciência do que se vota no próximo domingo: e são duas visões", respondeu Guillier.

No Chile, o voto não é obrigatório. No primeiro turno de novembro, o comparecimento às urnas foi de quase metade dos mais de 14 milhões de eleitores.

O primeiro momento de tensão no debate aconteceu quando os candidatos abordaram a gratuidade no ensino superior, uma medida aprovada pela presidente Bachelet que foi questionada por Piñera, mas que ele incluiu entre suas propostas depois que registrou uma votação menor que a esperada no primeiro turno.

Os 5 desafios do próximo presidente do Chile

"Ele (Piñera) foi mudando seu discurso. No começo era contra a gratuidade", recordou Guillier.

Piñera afirmou que sua candidatura é a única opção de crescimento econômico para o Chile, que sai de um período de desaceleração econômica e vai crescer quase 1,4% em 2017 - menor índice em oito anos -, ao mesmo tempo que acusou Guillier de representar um governo que "paralisou a economia e perdeu capacidade de criar empregos".

Também acusou o programa Guillier de apresentar um programa de governo que não é financiável. No tema migração e chegada de estrangeiros, que nos últimos três anos superaram meio milhão de pessoas, Piñera disse que estabelecerá uma "fiscalização maior" sobre os que entram no Chile, enquanto Guillier afirmou que seu governo buscará "leis de reciprocidade" com os países. 

Jogo de forças. A jornalista Beatriz Sánchez, terceira colocada no 1º turno da eleição presidencial no Chile, anunciou seu apoio ao candidato governista Alejandro Guillier na disputa em segundo turno pouco depois de o ex-presidente Sebastián Piñera - o mais votado em 19 de novembro - denunciar a suposta existência de votos marcados em favor dos dois candidatos de esquerda. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.