1. Usuário
Assine o Estadão
assine

China executa oito por ataques 'terroristas' em Xinjiang

REUTERS

24 Agosto 2014 | 10h 10

A China executou oito pessoas por ataques "terroristas" em sua região ocidental de Xinjiang, incluindo três deles que "idealizaram" um dramático acidente automotivo na praça de Tiananmen, na capital Pequim, em 2013, informou a imprensa estatal do país. 

Xinjiang é tradicionalmente a terra dos muçulmanos Uighurs, que falam uma língua oriunda do turco, e a China atribuiu os ataques na província a separatistas islâmicos que buscam estabelecer um Estado independente chamado de Turquestão do Leste. 

Grupos Uighur exilados e ativistas de direitos humanos dizem que as próprias políticas repressivas do governo em Xinjiang provocaram os distúrbios, uma acusação negada por Pequim.

Três entre os executados "idealizaram" o ataque de outubro de 2013 no coração da capital chinesa, afirmou a agência de notícias oficial Xinhua no sábado. 

Cinco pessoas foram mortas e 40 ficaram feridas no incidente, quando um carro adentrou a praça no meio do povo e explodiu, pegando fogo. 

As outras execuções, que aconteceram nos últimos dias, eram punições por crimes como armar vestimentas terroristas e fabricação ilegal de explosivos para atacar policiais e autoridades governamentais, disse a Xinhua. 

O Congresso Mundial Uyghur, o maior grupo de Uighurs exilados, disse que os indivíduos executados estavam pagando um preço pesado, mas que a causa primordial dos problemas estava sendo ignorada. 

"Os advogados, para conseguirem decisões políticas, os levaram a aceitar as acusações do governo chinês, e tiraram a discussão sobre os motivos da pauta", disse o porta-voz Dilxat Raxit à Reuters por e-mail neste domingo. "É um caso típico servindo fins políticos". 

Uma reportagem da Central Chinesa de Televisão (CCTV) mostrou imagens da polícia levando os indivíduos a um tribunal e questionando os que foram executados. Também eram mostradas imagens do ataque na praça de Tiananmen, quando um carro foi levado para o centro da praça. 

Alguns dos executados foram culpados por ataques na prefeitura de Aksu, na cidade de Kashgar e na vila de Hotan, acrescentou a Xinhua. 

A China tem reprimido os crimes violentos depois de uma série de ataques violentos em Xinjiang, e executou 13 pessoas em junho. 

(Reportagem de Adam Jourdan)

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo