Kim Kyung-Hoon / Reuters
Kim Kyung-Hoon / Reuters

China permitirá que províncias decidam sobre implementação da política de 2 filhos

Cerca de 90 milhões de famílias podem ser qualificadas para a nova medida, que deve ajudar a aumentar a população para 1,45 bilhão de pessoas até 2030

O Estado de S. Paulo

30 Outubro 2015 | 08h22

PEQUIM - Uma autoridade de planejamento familiar da China disse nesta sexta-feira, 30, que o governo central vai deixar as províncias decidirem sobre os detalhes da implementação da nova política que permite que casais tenham dois filhos.

Cerca de 90 milhões de famílias podem ser qualificadas para a nova política de dois filhos, que ajudaria a aumentar a população a um número estimado em 1,45 bilhão até 2030, informou a Comissão Nacional de Saúde e Planejamento Familiar em nota. A China, nação mais populosa do mundo, tinha 1,37 bilhão de pessoas no fim do ano passado.

A nova política, anunciada na quinta-feira pelo Partido Comunista, representa um abrandamento da longa e controversa "política do filho único". Pequim espera que a ação regule a idade da população, que está cada vez mais velha.

A China implementou por décadas a política de filho único, que levou a abortos forçados e infanticídios pelo país. Recentemente, no entanto, a política se tornou mais branda, e alguns casais já estavam autorizados a ter um segundo filho. Outros recebem a permissão somente se pagarem uma multa.

Apesar do abrandamento da política, o governo continuará envolvido. Famílias que desejam ter um segundo filho ainda precisarão de aprovação, embora eventualmente a comissão irá transferir as aprovações para um sistema de registros, informou o vice-diretor Wang Peian na nota. /REUTERS

Mais conteúdo sobre:
China filhos política população

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.