Assine o Estadão
assine

Internacional

China

China procura mais homens para dar aulas no ensino fundamental

Temendo que a falta de homens nas escolas tenha produzido uma geração de meninos tímidos, autocentrados e efeminados, os educadores chineses trabalham para reforçar os valores e os papéis de gênero tradicionais nas salas de aula

0

Javier C. Hernandéz / The New York Times*,
O Estado de S. Paulo

18 Fevereiro 2016 | 07h00

Fuzhou, China – A aula de história começou com uma lição sobre como ser homem de verdade. Lin Wei, de 27 anos, é um dos poucos homens que dá aula para o sexto ano no ensino fundamental da cidade e se habituou a contar histórias sobre senhores feudais que atiravam bruxas nos rios e soldados chineses que venciam os japoneses graças a sua inteligência.

“Os homens têm deveres especiais. Eles devem ser corajosos, proteger as mulheres e assumir a responsabilidade quando fazem algo errado”, afirmou.

Temendo que a falta de homens nas escolas tenha produzido uma geração de meninos tímidos, autocentrados e efeminados, os educadores chineses trabalham para reforçar os valores e os papéis de gênero tradicionais nas salas de aula.

Em Zhengzhou, uma cidade que fica às margens do Rio Amarelo, as escolas pedem para que os meninos assinem um contrato em que prometem agir como “homens de verdade”. Em Xangai, os diretores de escola estão criando aulas de física, de artes marciais, e de conserto de computadores exclusiva para os meninos. Em Hangzhou, no leste da China, os educadores criaram um acampamento de verão chamado “Meninos de West Point”, com aulas de taekwondo e o lema “Transformamos meninos em homens”.

Os órgãos responsáveis pela educação pública na China estão contratando homens para vagas de professores em todo o país já que, de acordo com a mídia chinesa, “as escolas precisam de uma masculinidade selvagem”. A busca por uma educação mais masculinizada deu início a um amplo debate sobre a igualdade de gênero e a identidade social do país, em um momento em que as lideranças chinesas tentam tornar o mercado de trabalho mais meritocrático.

O processo também reflete uma ansiedade crescente na sociedade chinesa. Embora o número de meninos supere significativamente o número de meninas, graças à política do filho único e a uma preferência cultural pelos filhos, o desempenho acadêmico dos meninos é consideravelmente inferior. Alguns pais temem pelas chances dos filhos em uma economia cada vez mais incerta e, por isso, acreditam que a presença de homens na educação ajudará a transmitir lições de assertividade, coragem e sacrifício aos jovens.

Entretanto, a ideia de que o excesso de professoras teve um efeito negativo na educação dos meninos obviamente foi recebida com protestos. Muitos pais acusam as escolas de propagar noções rígidas de masculinidade e de normas sociais. Além disso, as professoras afirmam que atrair homens para o trabalho com a promessa de presentes luxuosos é uma prática sexista.

Em Fuzhou, uma cidade de 2 milhões de habitantes, faculdades e universidades foram criticadas por tornar menos rígidas as regras de contratação de professores e por oferecer bolsas de estudos integrais para homens.

Xue Rongfang, aluna da Universidade de Fujian, se perguntou porque as mulheres não deveriam receber benefícios similares para terem a chance de participar de áreas tradicionalmente ocupadas por homens. “Se as mulheres podem cursar arquitetura, o governo não deveria financiar sua formação também? Por que só os homens recebem esse benefício?”, questionou.

Em algumas escolas, os professores afirmam que o grande número de educadoras, especialmente na educação de base, tinha um efeito positivo sobre os estudantes.

“Nós somos mais intuitivas em relação às necessidades das crianças”, afirmou Li Yue, de 36 anos, professora do jardim de infância em Fuzhou. “Não é responsabilidade das escolas ensinar os meninos a serem meninos. Essa é uma responsabilidade dos pais.”

Contudo, em sua maior parte, os funcionários dos órgãos de educação da China parecem discordar. Embora o número de homens seja limitado na educação pública do mundo todo, inclusive nos Estados Unidos, o desequilíbrio de gênero é especialmente claro na China, onde as mulheres ocupam 80 por cento das salas de aula em áreas urbanas, de acordo com um estudo publicado em 2012 pela Universidade de Pequim. A China conta com 15 milhões de professores de ensino básico e cerca de 270 milhões de alunos desde o jardim de infância até o último ano do ensino médio.

Em alguns distritos, as autoridades escolares pressionam os políticos locais a intervirem, afirmando que os estudantes estão tirando notas baixas porque não contam com a influência de figuras masculinas. Os meninos apresentam notas mais baixas que as meninas nas provas de acesso à universidade e a disparidade acadêmica se torna aparente desde a terceira série, de acordo com um estudo publicado em 2012 pela Academia de Ciências Sociais de Xangai.

Nos últimos anos, os órgãos responsáveis pela educação em Fujian, Guangxi e Jiangsu criaram incentivos para atrair professores, argumentando que os homens trazem um estilo mais energético e que incentivam os meninos.

Ainda assim, não se sabe se o desempenho acadêmico das crianças está relacionado a professores do mesmo sexo. Um estudo publicado em 2008 envolvendo nove mil alunos de 11 anos de idade na Inglaterra não encontrou relação entre a presença de homens na sala de aula com uma melhoria no desempenho acadêmico dos meninos.

A Escola de Ensino Médio Número 8 de Xangai criou um curso exclusivo para meninos com 60 alunos em 2012, com o objetivo de “reavivar sua masculinidade”.

Zhou Jiahao, de 18 anos, que está no último ano do ensino médio, conta que não achava que a China enfrentasse uma crise de masculinidade na sala de aula. Contudo, contou que os meninos se sentiam mais confiantes quando faziam aulas em grupo. Algumas das matérias que a escola oferece são etiqueta, programação e sobrevivência na selva.

“Nas aulas que fazemos com as meninas, nem sempre temos coragem de falar. Quando estamos apenas entre os meninos, nos sentimos mais livres.”

Sun Yunxiao, pesquisador do Centro de Pesquisa sobre Crianças e Jovens da China e autor de um livro sobre educação chamado, “Salvem os Meninos”, afirmou que os estudantes chineses estão cada vez mais distantes de figuras masculinas, incluindo os próprios pais. “As crianças precisam de professoras e professores para se desenvolver”, afirmou Sun.

A Universidade de Fujian abriu sua primeira turma gratuita de formação de professores exclusiva para homens no segundo semestre de 2015. Todos os dias, eles estudam cerca de 12 horas sob a tutela de professoras, que os ensinam a ler a linguagem corporal e a mostrar empatia. Como acreditam que a demanda para seu trabalho será grande, precisam se certificar em uma série de matérias, incluindo inglês, matemática e ciências.

Wang Ningde, de 19 anos, afirmou que espera poder dar aulas de chinês no ensino fundamental. Contudo, ele disse ter medo do fato de que, em algumas escolas, os professores são vistos como profissionais pouco confiáveis. “Se apenas mulheres derem aulas, vamos continuar a ter muitos problemas”, afirmou.

Jiang Weiwen, de 19 anos, calouro da universidade, afirmou que muitos de seus amigos e parentes ficaram confusos quando ele decidiu seguir carreira docente. “Eles perguntaram por que eu queria ser professor. Acham que os homens devem ser ambiciosos e que ser professor é um trabalho estável e ameno demais.”

*The New York Times News Service/Syndicate – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Mais conteúdo sobre:

Comentários