China quer a ajuda da Rússia para "apaziguar a situação" na Coreia do Norte

Os ministros de relações exteriores chinês e russo conversaram sobre a possível aliança entre os países

O Estado de S.Paulo

15 Abril 2017 | 03h25

PEQUIM - China quer cooperar com a Rússia para “apaziguar” o quanto antes a tensão ao redor da Coreia do Norte, declarou neste sábado, 15, o ministro de Relações Exteriores chinês Wang Yi a seu par russo Serguéi Lavrov.

“O objetivo comum dos dois países é que todas as partes se voltem à mesa de negociação”, disse Wang em uma conversa telefônica com Lavrov, segundo um comunicado divulgado no site do ministério.

O presidente Donald Trump prometeu que se encarregaria do “problema” nuclear coreano e anunciou o envio de um porta-aviões à região.

De sua parte, a Coreia do Norte disse estar disposta a “responder a qualquer ataque nuclear com ataque nuclear”, afirmou Choe Ryong Hae, vice-presidente da Comissão de Assuntos de Estados, antes do desfile de comemoração do 105º aniversário do nascimento de Kim Il-Sung, fundador do país.

“China está preparada para coordenar estreitamente com a Rússia a fim de contribuir com o apaziguamento da situação na península e encorajar as partes a retomarem o diálogo”, disse o chefe da diplomacia chinesa. Wang Yi se referia às negociações a seis (as duas Coréias, Japão, Rússia, China e Estados Unidos), que há anos estão interrompidas. "Evitar a guerra e o caos na península são interesses comuns" de Pequim e Moscou, acrescentou.

De acordo com muitos observadores, a Coreia do Norte poderia lançar neste sábado um novo teste nuclear ou balístico, ambos proibidos pela comunidade internacional. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.