China vai reduzir consumo de carvão para combater poluição

A China vai reduzir o consumo de carvão e impulsionar a eficiência energética como parte dos esforços para diminuir a poluição do ar, de acordo com um plano de ação divulgado pelo governo nesta sexta-feira.

REUTERS

06 Março 2015 | 08h51

O país, maior consumidor do mundo, vai cortar o consumo de carvão em mais de 80 milhões de toneladas até 2017 e mais de 160 milhões de toneladas até 2020 por meio de medidas de eficiência, segundo o plano 2015-2020 do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação.

O consumo anual de carvão da China, de cerca de 3,7 bilhões de toneladas, representa aproximadamente 66 por cento da demanda energética do país.

A matriz energética chinesa, dominada pelo carvão, foi identificada como a maior causa da poluição perigosa do ar que frequentemente toma conta de cidades como Pequim e Xangai, assim como uma fonte significativa de gases do efeito estufa, que causam o aquecimento global.

A China está tentando alcançar um equilíbrio entre melhorar o meio ambiente e reestruturar uma economia dominada por indústrias de energia intensiva, como a de aço.

O primeiro ministro chinês, Li Keqiang, fez da luta contra a poluição uma prioridade e está buscando um crescimento zero no consumo de carvão em áreas importantes do país.

A China vai acelerar a eliminação das instalações ultrapassadas e atualizar tecnologias e padrões para impulsionar o uso eficiente em setores que usam o carvão, de acordo com o plano divulgado.

(Reportagem de Niu Shuping, Judy Hua e Nicholas Heath)

Mais conteúdo sobre:
CHINA POLUICAO REDUCAO CARVAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.