1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cinco anos de guerra levaram Síria à 'miséria', diz ONU

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 15h 13

Para as Nações Unidas, país vive hoje o 'maior desastre humano do século 21'; além de 260 mil mortos, conflito deixou casas destruídas, crianças sem escolas e miséria generalizada

Prestes a completar cinco anos, a guerra na Síria "destruiu" um país, levou seu povo à "miséria" e abriu "a maior crise humana do século 21". O alerta é da ONU, que nesta terça-feira, 26, apresentou os novos dados do impacto social, econômico e humano do conflito que já matou 260 mil pessoas. As pessoas tiveram suas casas destruídas, as crianças não podem ir para a escola, não há hospitais suficientes e a miséria é generalizada.

Falando em Genebra, o representante da ONU na Síria, Yacoub El Hiilo, apresentou um raio-x de "uma sociedade em colapso". "Metade da população não vive mais em suas casas, 6,5 milhões foram obrigados a deixar suas regiões e 4,5 milhões de pessoas abandonaram o país", detalhou. 

Moradores de Madaya, na Síria, aguardam as ruas da cidade a chegada do comboio com ajuda humanitária

Moradores de Madaya, na Síria, aguardam as ruas da cidade a chegada do comboio com ajuda humanitária

Os dados são apresentados às vésperas da retomada de uma negociação de paz, programada para ocorrer a partir de sexta-feira em Genebra. "O sofrimento é imenso e os sírios começam a perder a esperança de que o mundo ainda se preocupa com eles", disse El Hiilo. "Trata-se de um grande fracasso político." 

As informações da ONU revelam como a guerra se traduziu para a sociedade: 67% da população síria hoje vive abaixo da linha da pobreza. Segundo a Unicef, o país é hoje "o lugar mais perigoso do mundo para ser uma criança"; dois milhões de menores estão fora das escolas e 50 mil professores abandonaram o país ou foram mortos. Apenas em 2016, 35 escolas foram bombardeadas. 

A realidade se contrasta com um cenário muito diferente antes da guerra. "90% das crianças estavam nas escolas. Hoje, perdemos o equivalente de duas décadas de educação e corremos o sério risco de perder toda uma geração", afirmou a Unicef. 

Doenças. Elisabeth Hoff, representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Damasco, também aponta para a "destruição do sistema de saúde": 50% dos médicos sírios abandonaram o país, 60% dos hospitais estão fechados; 50% das clínicas não funcionam e, em algumas regiões, campanhas de vacinação não ocorrem desde 2013. "Muitas das doenças que haviam desaparecido, hoje voltaram", disse Elizabeth.  

A ONU também denuncia o fato de que as diferentes partes no conflito passaram a usar a fome como "arma de guerra". O resultado, segundo a entidade, é dramático. Na cidade de Madaya, por exemplo, os estoques de uma clínica local contavam com remédios e vacinas. Mas, sem comida por seis meses, as crianças não tinham força sequer para reagir a tratamentos. O local, com 40 mil habitantes, contava com apenas dois médicos. 

Recursos. O conflito também tem esgotado os recursos internacionais. Em 2015, a ONU pediu quase US$ 3 bilhões dos governos para socorrer os sírios, mas recebeu apenas US$ 1,4 bilhão. "O mundo só acordou para a Síria quando os refugiados chegaram até a Europa", acusou El Hiilo.

 

Ian Egeland, chefe do Conselho Norueguês de Refugiados, também faz seu alerta. "A Europa fez o erro estratégico de não dar dinheiro para lidar com o impacto humano da guerra e, agora, gasta muito mais para lidar com refugiados", disse.  

John Ging, Coordenador Humanitário da ONU,  insiste que não existe uma "solução humanitária para a guerra na Síria" e apenas um cessar-fogo pode frear o caos. "Vamos lamentar por décadas se perdermos essa oportunidade de negociar um acordo. Se ele fracassar, a situação vai ficar ainda pior e milhões de refugiados irão até a Europa", completou. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX