Cinco novos WTCs podem ser construídos

O presidente da Word Trade Center Association, Guy Tozzoli, afirmou hoje, em São Paulo, que cinco licenças para a construção de novos WTCs já foram pedidas, depois dos atentados de 11 de setembro contra o WTC de Nova York. Dois edifícios devem ser construídos na Grécia, um no México e outros dois na China, sendo um deles em Hong Kong. "Isso mostra que a marca WTC não foi afetada pelos atentados", afirmou o empresário, cujo escritório central ficava no 77º andar da Torre 1. Sem dar maiores detalhes, Tozzoli afirmou também que novos WTCs devem ser construídos nas principais capitais brasileiras nos próximos anos. O WTC de São Paulo é o terceiro maior em metragem, entre os 338 WTCs do mundo, excluindo o de Nova York, destruído nos atentados. Tozzoli disse que não há dúvidas de que o WTC de Nova York será reconstruído, mas afirmou que ainda não sabe a forma que o novo edifício terá. O engenheiro, que participou da construção do WTC de Nova York, defende a construção, junto ao novo edifício que surgirá, de uma praça da paz, em homenagem aos seis mil mortos nos atentados. Ele não sabe se participará do novo projeto, mas acredita que será consultado para sugerir como deve ser a nova obra. Ele disse também que não percebeu qualquer fuga de empresários situados em Nova York, e acredita que a cidade continuará a ser o grande centro de negócios e finanças do mundo. Tozzoli afirmou que acredita que edifícios altos continuarão a ser construídos em todo o mundo. Mas admitiu que dificilmente alguma estrutura poderia agüentar o impacto e a temperatura provocados pela explosão do combustível de um Boeing com tanques cheios. Ele reiterou que o desabamento das torres gêmeas foi provocada pela ação do combustível. O engenheiro contou, ainda, que só não estava no WTC no momento dos ataques porque um acidente de ônibus em seu trajeto de casa para o trabalho atrasou o percurso. Tozzoli, indicado pela terceira vez para receber o prêmio Nobel da Paz, que será anunciado amanhã de manhã, está no Brasil para presidir a 32ª assembléia da associação, que acontece a partir de domingo, em São Paulo. O assembléia reunirá representantes dos 338 WTCs mundiais (em 101 países) e vai discutir formas de fomentar negócios e comércio em todo o mundo. Ele concorre ao Nobel pela defesa do lema da associação WTC, "Paz através do comércio internacional".

Agencia Estado,

11 Outubro 2001 | 13h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.