Cinco palestinos são mortos em Gaza

Cinco palestinos foram mortos por tiros de tanques do Exército de Israel na madrugada de hoje, informaram médicos palestinos. O ataque ocorreu na cidade de Beit Lahia, ao norte de Gaza, tiros de tanques atingiram um táxi com quatro integrantes das forças de segurança palestina e o motorista, que era civil, disse o dr. Moawiya Hanassein, diretor do Hospital Shifa, na cidade de Gaza. Os cinco morreram imediatamente. Ainda em Beit Lahia, quatro policiais palestinos foram feridos. Antes do amanhecer de hoje, canhoneiras israelenses atiraram contra postos policias palestinos localizados ao longo da costa da Faixa de Gaza, enquanto tanques dispararam vários projéteis e rajadas de metralhadora contra postos policiais. De acordo com funcionários da segurança palestina, sete postos foram destruídos na operação. Tanques e buldôzeres israelenses também invadiram território palestino ao norte de Gaza e destruiram terra que seria usada em plantações. Ontem à noite, o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, reuniu-se com o gabinete de segurança e declarou que o Exército tomaria todos passos para que fossem necessários para defender os israelenses. O presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, denunciou a incursão, mas Sharon acusou Arafat de não impedir que militantes palestinos invadissem o assentamento judaico de Alei Sinani, ao norte da Faixa de Gaza, e matasse dois israelenses. A nova escalada de violência acontece horas depois de o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ter dito que sua administração tomará um papel mais ativo no processo de paz no Oriente Médio e ter se mostrado favorável a criação de uma nação palestina. Os Estados Unidos têm tentado fazer com que o processo de paz seja retomado desde os ataques terroristas contra o Pentágono, em Washington, e as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York. Com isso, os EUA pretendem conquistar o apoio das nações árabes moderadas na luta contra o terrorismo.

Agencia Estado,

03 Outubro 2001 | 04h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.