David McNew/Getty Images/AFP
David McNew/Getty Images/AFP

Clima seco e ventos fortes dificultam o combate aos incêndios florestais na Califórnia

Xerife do condado de Sonoma, uma das regiões mais afetadas, disse que as equipes de resgate encontram ‘cadáveres completamente intactos e também corpos que não são mais do que cinzas e ossos’; mais 30 pessoas morreram com a propagação das chamas

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2017 | 10h10

SONOMA, EUA - Bombeiros da Califórnia enfrentam um novo dia de clima seco e ventos fortes nesta sexta-feira, 13, à medida que combatem incêndios florestais que mataram ao menos 31 pessoas e deixaram centenas de desaparecidos no coração da região vinícola do Estado americano.

+ Incêndio deixa Califórnia em estado de emergência

Os incêndios com o maior número de mortos na história da Califórnia mataram pessoas que estavam dormindo em suas casas e levaram autoridades a retirar milhares de moradores de suas residências, alertando que qualquer um que se recuse a sair estará “por sua própria conta".

O total de vítimas dos mais de 20 incêndios que atingem simultaneamente oito condados do norte da Califórnia ainda pode subir, já que mais de 400 pessoas da região de Sonoma estão na lista de desaparecidos.

O xerife do condado de Sonoma disse que até agora receberam 900 queixas de pessoas desaparecidas e a metade já foi encontrada, com vida. Ele também informou que as equipes de resgate entraram em "fase de recuperação". "Temos cães de busca que basicamente sentem o cheiro dos corpos e nos ajudam a encontrá-los."

Além disso, o xerife advertiu que "será um processo lento" pois os incêndios estão ativos, complicando a identificação das vítimas. "Encontramos cadáveres completamente intactos e também corpos que não são mais do que cinzas e ossos.”

Ventos de até 100 km/h e umidade de apenas 10% criarão “condições climáticas graves de incêndio” e “contribuirão para o comportamento extremo das chamas” nesta sexta-feira e no sábado, alertou o Serviço Nacional do Clima dos EUA.

O chefe do Cal Fire, Ken Pimlott, disse que a situação é "séria, crítica, um evento catastrófico", e o governador Jerry Brown admitiu que este é um dos piores incêndios na história do Estado.

Pimlott explicou ainda que os efeitos de uma seca de cinco anos serve como combustível para os incêndios. "Temos literalmente uma vegetação explosiva", afirmou.

Os incêndios já destruíram cerca de 69 mil hectares de terras e 3,5 mil edifícios  Bairros inteiros foram reduzidos a cinzas, com árvores queimadas e carros incinerados. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.