1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Coalizão anti-EI se reúne em Paris para intensificar a luta na Síria e no Iraque

- Atualizado: 20 Janeiro 2016 | 12h 02

Ministros da Defesa de Estados Unidos, França, Austrália, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália e Holanda farão balanço das ações da coalizão e estudarão pistas para intensificar a campanha militar

PARIS - A coalizão liderada pelos Estados Unidos que luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque se reúne nesta quarta-feira, 20, em Paris com o objetivo de mobilizar mais recursos militares.

Os ministros da Defesa dos sete países que participam na campanha aérea e no treinamento das forças iraquianas (Estados Unidos, França, Austrália, Grã-Bretanha, Alemanha, Itália e Holanda) terão o encontro na sede do ministério francês da Defesa. 

Responsáveis pela Defesa de Austrália, Itália, Alemanha, França, EUA, Grã-Bretanha e Holanda se reúnem em Paris para avaliar ações da coalizão

Responsáveis pela Defesa de Austrália, Itália, Alemanha, França, EUA, Grã-Bretanha e Holanda se reúnem em Paris para avaliar ações da coalizão

Envolvida militarmente na Síria, a Rússia não participa na reunião.

O encontro, copresidido pelos ministros francês, Jean-Yves Le Drian, e americano, Ashton Carter, permitirá fazer um balanço das ações da coalizão e estudar pistas para intensificar a campanha militar, afirmaram fontes francesas.

Os ministros pretendem estudar as medidas "necessárias para acelerar o ritmo" das operações, segundo as mesmas fontes.

Iniciada em meados de 2014, a campanha foi afetada durante muito tempo pelos compromissos dispersos de seus membros, mas começa finalmente a dar frutos, segundo analistas. O EI sofreu derrotas em Kobani, na fronteira da Síria com a Turquia, Sinjar e mais recentemente em Ramadi, no Iraque.

A reunião também abordará a situação na Líbia, onde o EI avança ao aproveitar o caos político que impera no país. No entanto, nenhuma proposta concreta a respeito deve ser apresentada, segundo uma fonte americana.

Os bombardeios foram intensificados no Iraque e na Síria desde os atentados de 13 de novembro em Paris, em particular contra as instalações de produção de petróleo, cujo tráfico é uma das principais fontes de recursos do EI.

Antes do início da reunião, Carter depositou flores na Praça da República de Paris em memória das vítimas dos ataques de novembro. / AFP e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX