1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Colômbia e ELN anunciam início de processo de paz

- Atualizado: 30 Março 2016 | 14h 37

Governo de Juan Manuel Santos e grupo guerrilheiro realizavam 'contatos exploratórios' desde janeiro de 2014; Quito, no Equador, deve sediar negociações que seguirão roteiro com seis tópicos

CARACAS - O governo colombiano e a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) anunciaram nesta quarta-feira, 30, o início de um processo formal de diálogos de paz. O comunicado foi feito na sede da chancelaria venezuelana em Caracas por Frank Pearl, chefe da delegação do governo colombiano, e Antonio García, que dirige a comissão de representantes da guerrilha.

As negociações nesta fase do processo serão realizadas principalmente em Quito, no Equador - onde aconteceram nos dois últimos anos pelo menos sete reuniões de "contatos exploratórios" para iniciar uma negociação de paz. O documento divulgado pelas partes com o roteiro das negociações prevê sessões também na Venezuela, no Chile, no Brasil e em Cuba.

Comandante do ELN, Nicolás Rodríguez Bautista, conhecido como 'Gabino', em acampamento da guerrilha

Comandante do ELN, Nicolás Rodríguez Bautista, conhecido como 'Gabino', em acampamento da guerrilha

Em junho de 2014, o governo e o ELN anunciaram que em janeiro daquele ano iniciaram os "contatos exploratórios" para abrir uma negociação de paz, e dois meses depois o presidente do Equador, Rafael Correa, revelou que seu país tinha abrigado essas reuniões. Nos últimos meses, o chefe máximo do ELN, Nicolás Rodríguez Bautista, conhecido como "Gabino", disse em várias ocasiões que esse grupo estava muito perto de estabelecer uma agenda de diálogos com o governo.

A agenda de negociação que as partes discutiram e que deve ser confirmada nesta quarta como roteiro inclui seis pontos: participação da sociedade; democracia para a paz; vítimas; transformações para a paz; segurança para a paz e abandono das armas, e garantias para o exercício da ação política.

A informação do início formal dos diálogos de paz com o ELN é divulgada no momento em que as negociações do governo com as Farc em Cuba estão em fase crítica pelas diferenças entre as partes sobre os lugares de concentração de guerrilheiros e seu abandono de armas e desmobilização. Essas diferenças impediram a assinatura de um acordo definitivo no dia 23, como estava previsto.

Da mesma maneira, o anúncio se produz dias depois de o ELN libertar o cabo do Exército Jair de Jesús Villar e o empresário Ramón José Cabrales Camacho, que estavam sequestrados. A libertação de "todos os sequestrados" foi uma condição do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, para iniciar formalmente a negociação de paz com o ELN. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX