Comandante israelense acusado de atirar em criança é suspenso

O exército de Israel suspendeu um comandante suspeito de esvaziar sua arma contra uma menina palestina de 13 anos. Os soldados do pelotão disseram que ela já havia recebido vários disparos e possivelmente estava morta, mas que o comandante se aproximou e atirou com sua arma automática apesar de pedirem para que não fizesse isso. As investigações sobre a morte de Iyman Hams começaram em 5 de outubro. Inicialmente, o exército disse que os soldados atiraram porque suspeitaram que ela estava com uma bomba. A família da menina disse que ela estava a caminho da escola quando foi assassinada. De acordo com médicos palestinos, Iyman Hams recebeu 15 tiros. "Achei necessário suspender o comandante do pelotão por hora", disse o coronel Eyal Eisenberg à rádio do exército. "As acusações são graves, chegaremos ao fundo desse assunto."

Agencia Estado,

13 Outubro 2004 | 09h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.