Comissão cancela 2º turno no Afeganistão e Karzai se reelege

Oposicionista anunciou no domingo que boicotaria votação; primeiro turno da eleição foi marcado por fraudes

estadao.com.br,

02 Novembro 2009 | 09h45

A Comissão Eleitoral Independente do Afeganistão anunciou nesta segunda-feira, 2, o cancelamento do segundo turno das eleições presidenciais após a desistência do candidato opositor, o ex-chanceler Abdullah Abdullah, e declarou que o atual presidente, Hamid Karzai, continuará no cargo.

 

Veja também:

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

"Declaramos o honorável Hamid Karzai como presidente porque ele venceu o primeiro turno e é candidato único no segundo", anunciou a comissão em comunicado.

 

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse nesta segunda-feira, 2, que iria respeitar e apoiar qualquer decisão sobre a eleição. Ban se encontrou em Cabul com Hamid Karzai e Abdullah Abdullah. "Continuaremos a apoiar o povo afegão em sua busca por prosperidade e paz", disse o secretário-geral.

 

EUA

 

A administração de Obama, que aguarda a eleição de um governo que tenha legitimidade no Afeganistão para definir sua estratégia na guerra que empenha naquele país, rapidamente emitiu seu apoio à decisão e felicitações ao presidente Karzai.

 

"Nós congratulamos o presidente Karzai pela sua vitória nesta eleição histórica e aguradmos para poder trabalhar junto com ele, para realizar reformas e melhorar a segurança", declarou por meio de nota a embaixada dos EUA.

 

Legitimidade

 

A Casa Branca anunciou que considera "legítima" a reeleição de Karzai e, segundo informações do governo, Obama pressionou Karzai a governar de forma mais consistente que em seu primeiro mandato e fiscalizar mais a corrupção após uma eleição "atrapalhada". O presidente dos EUA também disse ao afegão que quer ver ações e que monitorará a situação no país para assegurar que o Afeganistão tenha progressos.

 

Reconhecendo a vitória de Karzai, o governo americano comentou o motivo da retirada do candidato de oposição da disputa. "Não sei como se pode assumir que vai acontecer algo antes que aconteça", disse em entrevista coletiva o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, já que Abdullah havia anunciado que não participaria do segundo turno por acreditar que não havia condições seguras o suficiente para realizá-lo.

 

Gibbs ressaltou que Abdullah decidiu não participar "por razões pessoais e políticas", e disse que isso não tira a validade do processo. Karzai "é o líder legítimo do país" e "não há razão" para pensar que os afegãos colocarão isso em dúvida, explicou o porta-voz, que antecipou que informará publicamente sobre a ligação de Obama para Karzai quando ela acontecer.

(Com Associated Press e Efe - atualizado às 18h00)

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão eleição Abdullah Abdullah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.