Robert S. Price/Courtesy U.S. Navy (via REUTERS)
Robert S. Price/Courtesy U.S. Navy (via REUTERS)

Comissão da ONU teme que ataque americano leve a uma escalada militar na Síria

Presidente da entidade acredita que negociação de paz em Genebra entre o regime sírio, potências estrangeiras e oposição seja prejudicado

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2017 | 09h27

GENEBRA - O presidente da Comissão de Inquérito da ONU para os Crimes na Síria, o brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, insiste que não existe uma solução militar para a guerra em Damasco e teme que a ação americana, os ataques químicos e uma nova retórica na região representem uma escalada militar no conflito que já dura seis anos. 

Em entrevista ao Estado, Pinheiro indicou que sua função não é a de avaliar as motivações do presidente dos EUA, Donald Trump. “Acompanhamos o discurso do líder americano, mas não entramos na análise de sua motivação. O que dizemos de forma consistente ao longo dos anos é que não existe uma solução militar para a Síria”, apontou. 

Até o momento, a Comissão indica que não recebeu qualquer informação ou alegação de que o ataque americano tenha resultado em mortes de civis. “Como nosso mandato é investigar violações de direitos humanos, não há bases para que façamos uma investigação sobre esse incidente”, explicou.

Em sua análise, o que pode ser uma vítima do ataque é a negociação de paz em Genebra que tenta ser mediada pela ONU entre o regime, potências estrangeiras e a oposição.  “A Comissão está, porém, preocupada como uma potencial escalada militar que possa ser resultado de eventos dos últimos dias e a retórica cada vez mais dura vinda de diversas partes que influenciam esse conflito”, disse. 

Segundo Pinheiro, o mediador da ONU, Staffan de Mistura, havia conseguido manter o processo de diálogo e um novo encontro estava marcado para maio. “Agora, o novo cenário pode contribuir para afetar o processo”, disse. 

O brasileiro também teme que o frágil cessar-fogo na Síria seja abandonado, impedindo que novas rodadas de diálogo entre oposição e regime possam ocorrer. 

A meta da ONU é colocar em prática um acordo para promover a transição política, a criação de uma nova constituição e, em 18 meses, eleições gerais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.