Comissão recomenda negociar ingresso da Turquia na UE

A Comissão Européia recomenda que a UE inicie conversações para o ingresso da Turquia na União, mas impôs condições duras para impedir que o governo turco recue em suas reformas democráticas e de direitos humanos. A decisão foi obtida por um "amplo consenso" dos comissários. Não foi recomendada uma data para o início das negociações. "É um sim, com condições", disse o presidente da Comissão, Romano Prodi. "Está acompanhado por toda uma série de recomendações para monitorar e verificar qual a situação real e recomendações específicas". O comissário Franz Fischler disse que, embora a Turquia tenha um longo caminho pela frente, não há mais razões para rejeitar seu pedido de negociação para o ingresso. O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que, com a exceção de uma revolução em seu país, a União Européia não terá motivo para desviar-se da recomendação de iniciar negociações com Ancara. Ele insistiu que a Turquia não busca tratamento diferenciado dos demais países que se candidatam à UE, mas que também não aceitará condições especiais, e que uma interrupção do caminho rumo a negociações "mostrará desrespeito a um país que acelerou" reformas políticas e econômicas. Erdogan também contestou a fala de Prodi, dizendo que "não existe um sim condicional". Ele se disse confiante de que as negociações começarão "no início de 2005".

Agencia Estado,

06 Outubro 2004 | 14h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.