Pau Barrena/AFP
Pau Barrena/AFP

Como a Catalunha influencia outros movimentos separatistas na UE

Especialistas acreditam que falta de apoio internacional ao processo catalão deve desencorajar outras regiões 

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 14h51

O desenrolar da crise na Catalunha, principalmente com a intervenção de Madri depois da declaração unilateral da independência, pode desencorajar outros grupos separatistas na Europa que pretendiam tomar atitudes semelhantes, dizem analistas. 

Saiba quais são as medidas de Mariano Rajoy para intervir na autonomia da Catalunha

Desde que declarou a independência, na sexta-feira 27, a região espanhola foi condenada pela comunidade internacional e sofreu a intervenção de Madri. No mesmo dia, o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, destituiu o Parlamento da Catalunha e convocou eleições regionais para 21 de dezembro. 

Marcos Tourinho, professor de Relações Internacionais da FGV, diz que é comum ondas nacionalistas surgirem em bloco e seria esperado que, se bem-sucedida, a independência catalã resultasse em repercussões em outros países. Diversas nações da Europa como Escócia, Itália, Bélgica, Espanha e Ucrânia lidam com movimentos separatistas. Segundo ele, no direito internacional não importa a declaração, e sim o reconhecimento da independência por outros países, o que não ocorreu na Catalunha. "Criar um novo Estado é um processo longo e complexo. E a Espanha tem poder político muito mais forte que os catalães", diz. 

+ Como ficam os clubes de futebol espanhóis em caso de independência da Catalunha

De Leon Petta Gomes da Costa, professor de Relações Internacionais das Faculdades Integradas Rio Branco, concorda que as consequências das ações dos catalães podem ter reflexos em outros movimentos separatistas europeus. Mas diz que elas vão depender dos resultados obtidos. "Ainda é cedo para dizer. Como aparentemente não deu certo, isso pode ser um banho de água fria".

Costa acredita que um conflito armado na Catalunha é pouco provável a curto e médio prazo, principalmente pela falta de apoio da comunidade internacional com a condenação de diversos governos às medidas catalãs.

Segundo o pesquisador, os independentistas  perceberam que, com a saída da União Europeia, teriam muito a perder. "Muitos querem a livre circulação de pessoas e de mercadorias. Eles achavam que conseguiriam abandonar a Espanha e continuar na UE, mas isso não vai acontecer". 

+ Entenda: o que significa a declaração de independência 

Europa

Para Costa, o avanço do nacionalismo na Europa está ligado a uma reação geopolítica em função de conflitos armados do Oriente Médio e da ascensão econômica da Ásia. Ele avalia que a Europa está tentando redescobrir o seu papel na nova ordem mundial.

"Nos anos 1990 e 2000, o continente ficou em um mar de utopia, achando que o mundo estava seguro, tranquilo, e que a visão deles seria adotada", diz. "Agora, viram que essa utopia não se concretizou e procuram respostas", explica o professor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.