Condenadas à morte por adultério recorrem da sentença

Duas mulheres que foram condenadas à morte por apedrejamento na Nigéria por suspeita de adultério vão recorrer da sentença, informou nesta sexta-feira um grupo de direitos humanos. As sentenças foram decretadas no Estado de Bauchi no final de setembro e no início de outubro. Uma delas, Hajara Ibrahim, de 18 anos, foi condenada em 5 de outubro por ter praticado sexo fora do casamento. Ela deve apelar da decisão judicial na segunda-feira, alegando que seu casamento nunca foi consumado, disse Bunmi Dipo-Salami, que pertence ao Baobab, grupo de direitos humanos que financia os advogados de defesa. Hajara foi prometida em casamento quando ainda era menor de idade. Mais tarde, viveu com o marido por um curto período de tempo, disse a mulher. A outra condenada, Daso Adamu, de 25 anos, estava para morrer por apedrejamento no dia 15 de setembro quando disse que estava grávida de um de seus dois ex-maridos. Seu caso foi adiado até 3 de novembro.

Agencia Estado,

22 Outubro 2004 | 11h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.