1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Confronto com a polícia deixa dezenas de presos e feridos em Hong Kong

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 16h 35

Oficiais realizaram disparos de advertência para dispersar vendedores ambulantes com barracas ilegais montadas nas comemorações do ano-novo lunar; 54 pessoas foram detidas

HONG KONG - Dezenas de pessoas ficaram feridas nesta terça-feira, 9, em Hong Kong durante uma operação da polícia, que realizou disparos de advertência para dispersar vendedores ambulantes com barracas ilegais montadas nas comemorações do ano-novo Lunar. Foi o pior episódio de violência desde os protestos pró-democracia de 2014.

Cerca de 90 policiais ficaram feridos por estilhaços de vidro, assim como dezenas de manifestantes durante os incidentes ocorridos quando o habitantes da ex-colônia britânica festejavam o ano-novo chinês. Segundo a polícia, 54 pessoas foram detidas por perturbar a ordem e agredir policiais.

Manifestantes e policiais se enfrentam durante o ano-novo lunar, em Hong Kong

Manifestantes e policiais se enfrentam durante o ano-novo lunar, em Hong Kong

Imagens da televisão local mostraram imagens de um agente apontando sua arma para a multidão, que jogava pedras e pedaços de madeira e queimava latas de lixo.

Estes incidentes ocorreram em Mongkok, bairro muito populoso da parte continental de Hong Kong.

Os distúrbios começaram quando a polícia investiu contra camelôs sem licença para vender, principalmente comida.

Os moradores locais, militantes da causa contra a influência de Pequim, começaram a protestar contra a ação policial. Nas redes sociais, os internautas cunharam a expressão "revolução das almôndegas de peixe", em alusão a uma especialidade culinária local muito vendida nas ruas.

O chefe da polícia de Hong Kong, Stephen Lo, justificou os disparos de advertência, alegando que foram para defender um colega que estava ferido que estava sendo agredido. Na entrevista coletiva, o chefe de polícia mostrou parte das armas usadas pelos manifestantes, entre elas paus de madeira, latas de gás, tijolos, elaborados escudos caseiros assim como coletes anti-balas.

"Alguns transportaram as provisões em veículos. Não descartamos que se trate de uma ação organizada ou planificada", disse Lo.

O chefe do governo de Hong Kong, Leung Chun-yin, condenou com firmeza o que chamou de atos de violência. Quatro jornalistas ficaram feridos, informou a Associação de Jornalistas de Hong Kong em seu Facebook.

Entre os detidos está o membro do grupo independentista do Hong Kong Indigenous Edward Leung, que tenta ser eleito para o parlamento da cidade em três semanas, confirmou em sua página de Facebook.

O jornal local "South China Morning Post" citou hoje grupos locais radicais independentistas nascidos por causa dos históricos protestos de 2014 como participantes dos distúrbios.

Em 2014, a ex-colônia britânica registrou a crise política mais grave desde sua devolução à China em 1997. Os incidentes mais violentos foram registrados justamente no bairro de Mongkok, península de Kowloon. Milhares de manifestantes paralisaram vários bairros da cidade para exigir direito a voto para designar o próximo chefe de governo. / AFP, EFE e REUTERS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX