AFP PHOTO / Brendan Smialowski
AFP PHOTO / Brendan Smialowski

Congresso envia a Trump resolução contra supremacistas brancos

Medida conjunta da Câmara e do Senado dos EUA descreve a violência racial no mês passado em Charlottesville, na Virgínia, como um 'ataque terrorista interno'; texto segue agora para o presidente, que o assinará imediatamente, disse a Casa Branca

O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 17h18

WASHINGTON - O Congresso dos Estados Unidos aprovou por unanimidade na terça-feira uma resolução de condenação aos neonazistas, a KKK e outros nacionalistas brancos, e urgiu ao presidente Donald Trump que enfrente os grupos de ódio após os atos de violência racial no mês passado em Charlottesville, na Virgínia.

Trump, amplamente criticado por sua reação ao episódio, se comprometeu a assinar imediatamente a resolução assim que ela chegar à Casa Branca, afirmou nesta quarta-feira, 13, a porta-voz da Casa Branca, garantindo que o presidente tinha sido "claro" em sua declaração inicial ao condenar "o ódio e o racismo em todas suas formas".

A resolução conjunta das duas Casas do Congresso, que descreve a violência como um "ataque terrorista interno", pede ao governo de Trump que melhore o registro de dados sobre crimes e discursos de ódio. O texto passou na Câmara dos Deputados por unanimidade pouca horas depois de o Senado ter feito o mesmo.

Congressistas da Virgínia afirmaram que o Congresso apresentou uma "voz unificada" para condenar inequivocamente este incidente, no qual uma mulher de 32 anos morreu ao ser atropelada pelo veículo de um supremacista branco que avançou contra uma multidão após um protesto de extremistas de direita que terminou em violência.

A moção reconhece a situação e presta condolências pela morte Heather Heyer, de dois policiais na queda de um helicóptero quando monitoravam o protesto e de 19 pessoas feridas nos distúrbios.

"Espero que esta ação bipartidária cure as feridas depois desta tragédia e envie uma mensagem clara aos que pretendem dividir nosso país de que não há espaço para o ódio e a violência", disse o democrata Gerry Connelly.

Trump foi muito criticado depois que afirmar que os manifestantes contrários ao racismo eram igualmente responsáveis pela violência na manifestação dos supremacistas brancos em Charlottesville.

A aprovação do presidente republicano registrou forte queda após o episódio e está em seu menor nível em sete meses de mandato.

A resolução expressa "apoio à comunidade de Charlottesville, rejeitando os nacionalistas brancos, os supremacistas brancos, a Ku Klux Klan, neonazistas e outros grupos de ódio, e urge ao presidente e seu gabinete a usar todos os recursos disponíveis para enfrentar as ameaças representadas por estes grupos". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.