Congresso hondurenho vai decidir volta de Zelaya após eleições

Decisão pode pôr em xeque reconhecimento internacional do pleito.

BBC Brasil, BBC

17 Novembro 2009 | 21h18

O Congresso hondurenho deve votar sobre a restituição do presidente deposto, Manuel Zelaya, no dia 2 de dezembro, três dias após as eleições gerais marcadas para 29 de novembro, disse nesta terça-feira o presidente da casa, José Alfredo Saavedra, à rádio local HRN.

"Decidimos oficializar a convocatória para que no próximo dia 2 de dezembro ocorra a sessão para analisar o tema", disse ele.

Saavedra disse que os congressistas já têm uma posição sobre os pareceres que pediram de quatro instituições hondurenhas antes de iniciar a votação.

"Recebemos a posição da Comissão Nacional de Direitos Humanos (na semana passada), no dia de hoje da Procuradoria Geral da República e, fomos informados oficialmente, que receberemos na semana que vem o relatório do Ministério Público e da Corte Geral de Justiça", completou.

Zelaya

Muitos países latino-americanos disseram que não reconheceriam o pleito hondurenho se Zelaya não fosse à Presidência antes das eleições.

Mas os Estados Unidos não descartaram restaurar laços diplomáticos com o novo governo eleito de Honduras mesmo se Zelaya não voltar ao poder.

No final de semana, Zelaya disse que não aceitaria voltar ao poder se a restituição ocorresse após as eleições.

Tanto Zelaya como o governo interino de Roberto Micheletti assinaram, no mês passado, um acordo para tentar por fim à crise hondurenha, mas os dois lados discordam sobre se o pacto está sendo cumprido.

O acordo fala da formação de um governo de unidade nacional, mas não torna obrigatória a volta de Zelaya, deixando para o Congresso decidir a questão sem estabelecer um prazo para isso.

Zelaya segue, desde o dia 21 de setembro, refugiado na embaixada brasileira na capital hondurenha, Tegucigalpa. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.