AFP PHOTO / Mohamed al-Bakour
AFP PHOTO / Mohamed al-Bakour

Contaminação química em cidade síria foi resultado de bombardeio a arsenal rebelde, diz Rússia

Porta-voz do Ministério da Defesa, Igor Konashenkov, diz que depósito em Khan Shikhoun usado para produzir armas destinadas ao Iraque foi destruído pela aviação síria

O Estado de S.Paulo

05 Abril 2017 | 10h21

MOSCOU - A Rússia afirmou nesta quarta-feira, 5, que a Força Aérea da Síria bombardeou na terça-feira, durante o período de uma hora, um depósito de armas dos insurgentes que abrigava uma oficina para a produção de "armas tóxicas" destinadas ao Iraque, o que resultou na contaminação e morte de dezenas de pessoas.

"Segundo o controle do espaço aéreo, ontem, entre às 11h30 e 12h30 (hora local), a Força Aérea síria bombardeou na região de Khan Shikhoun, um grande depósito de armas dos terroristas. Na área do depósito se encontrava uma oficina para a produção de minas com substâncias tóxicas", disse o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, general Igor Konashenkov.

"A partir deste enorme arsenal de armas químicas, os combatentes as enviavam para o Iraque. Sua utilização pelos terroristas foi demonstrada tanto pelas organizações internacionais como pelo governo desse país", afirmou.

A Rússia tinha negado na terça que sua Força Aérea tivesse bombardeado a região e realizado este ataque contra os rebeldes, após denúncia do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que diz que 72 pessoas morreram por conta do ataque.

"Os aviões das Forças Aéreas da Rússia não efetuaram nenhum ataque na região da cidade de Khan Shikhoun, na Província de Idlib", informou ontem o Ministério da Defesa russo, através de um comunicado.

Veículos de imprensa ocidentais, que citaram o OSDH, informaram que a Força Aérea russa ou síria atacou com armas químicas as imediações da cidade, o que foi qualificado por Moscou como "falsidades antirussas". / EFE e REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.