KCNA/via Reuters
KCNA/via Reuters

Coreia do Norte faz novo teste com míssil balístico, diz Seul

Segundo Ministério da Defesa sul-coreano, o projétil foi disparado do porto norte-coreano de Sinpo, onde fica seu principal centro de desenvolvimento para este tipo de projétil

O Estado de S. Paulo

04 Abril 2017 | 19h48

SEUL - A Coreia do Norte lançou nesta quarta-feira (data local), 5, um míssil balístico de seu litoral oriental que percorreu cerca de 60 quilômetros em direção ao Mar do Leste (Mar do Japão), informou o Exército sul-coreano.

O Estado-Maior Conjunto de Seul (JCS) confirmou que o projétil foi disparado a partir de Sinpo, na província de Hamgyong do Sul, por volta das 6h40 (horário de Seul; 18h40 de terça-feira em Brasília).

Ainda segundo o Exército, o lançamento foi feito em terra, e não no mar, descartando a possibilidade de que tivesse sido disparado a partir de um submarino, como habitualmente o regime de Pyongyang faz na região de Sinpo, onde fica seu principal centro de desenvolvimento para este tipo de projétil.

Seul e Washington estão estudando tanto qual míssil foi lançado como seu alcance exato, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O lançamento aconteceu um dia antes de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, receber na Flórida o presidente da China, Xi Jingping, em um encontro que terá a Coreia do Norte como tema principal.

Trump pediu a Pequim, aliado mais próximo de Pyongyang, para que exerça maior pressão sobre o regime de Kim Jong-un para que este abandone o desenvolvimento de mísseis balísticos e armas nucleares

O regime de Pyongyang lançou em 6 de março quatro projéteis balísticos de médio alcance, três dos quais caíram em águas da Zona Econômica Especial do Japão (EEZ), a apenas 200 quilômetros da costa do arquipélago, e há duas semanas realizou outro teste com mísseis que aparentemente fracassou. 

A Coreia do Norte realizou no ano passado testes atômicos em Punggye-ri, no que teria sido a primeira vez em que o regime de Pyongyang realizou dois testes em poucos meses - antes o período era de anos. Sob o comando do jovem líder Kim Jong-un, que chegou ao poder em 2011, Pyongyang ampliou esforços para o desenvolvimento de programas nucleares e de mísseis apesar das sanções cada vez mais severas com que a ONU castigou o país. / EFE e AFP 

 

Mais conteúdo sobre:
SEUL Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.