1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Coreia do Norte ordena saída imediata de sul-coreanos de Kaesong

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 10h 34

Pyongyang anunciou que transformará local em zona militar, encerrará comunicação militar com o Sul e fechará túnel que liga países após Seul decidir encerrar parceria no complexo industrial

PYONGYANG - A Coreia do Norte ordenou nesta quinta-feira, 11, que todos os sul-coreanos abandonem imediatamente o parque industrial de Kaesong, e anunciou que irá confiscar todo o material deixado no complexo.

O anúncio do Comitê para a Reunificação Pacífica da Coreia é uma resposta à decisão de Seul de interromper unilateralmente as operações no complexo industrial conjunto, que fica em território norte-coreano, como represália ao recente teste nuclear e ao lançamento de um foguete de longo alcance por parte de Pyongyang.

Caminhões carregados com produtos feitos no complexo industrial de Kaesong cruzam a fronteira com o Sul após serem expulsos por Pyongyang

Caminhões carregados com produtos feitos no complexo industrial de Kaesong cruzam a fronteira com o Sul após serem expulsos por Pyongyang

"Imperdoável o ato desse grupo de marionetes de suspender totalmente a operação (em Kaesong), vendo erro no teste da bomba H e no lançamento do satélite da República Popular Democrática da Coreia (nome oficial do país)", afirmou o norte-coreano Comitê para a Reunificação Pacífica da Coreia, referindo-se à Coreia do Sul.

A isolada Coreia do Norte desqualifica o Sul frequentemente, chamando o vizinho de marionete dos Estados Unidos, e com a mesma regularidade acusa ambos de atos de guerra contra si.

Em comunicado publicado pela agência oficial norte-coreana KCNA, o Comitê afirma que fechará Kaesong e transformará o local em zona militar. Também anunciou o fim de todas as comunicações militares com a Coreia do Sul e o fechamento de um túnel que liga os dois países através da cidade de fronteira de Panmunjom.

Os sul-coreanos receberam a ordem de abandonar Kaesong antes das 17 horas (6h30 de Brasília) e foram informados que poderiam levar apenas os bens pessoais. 

Após a ordem de fechamento, a Coreia do Sul ordenou a repatriação paulatina, ao longo desta semana, de seus cidadãos no complexo, e a negociação com Pyongyang para a recuperação dos ativos, maquinário e produtos que são propriedade das empresas sul-coreanas instaladas ali.

No entanto, o novo comunicado da Coreia do Norte poderia precipitar a retirada dos sul-coreanos e aumentar a tensão entre os dois países, que estão em um dos piores momentos de sua relação.

O regime dos Kim lançou no domingo um foguete de longo alcance, ação que se seguiu ao quarto teste nuclear do país comunista, em 6 de janeiro. EUA, Japão e Coreia do Sul acreditam que a manobra foi um teste de míssil balístico, que assim como o teste nuclear viola resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). O Senado norte-americano votou unanimemente a favor de sanções mais rígidas.

O Conselho de Segurança da ONU está em processo de sancionar as duas ações. Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão exigem a máxima dureza na punição à Coreia do Norte. / AFP, EFE e REUTERS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX