1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Coreia do Norte pede tratado de paz com os EUA e fim de exercícios militares com o Sul

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 18h 44

O Estado isolado busca há muito tempo um tratado de paz com os EUA, bem como o fim dos exercícios da Coreia do Sul com os Estados Unidos, que têm cerca de 28,5 mil soldados posicionados na Coreia do Sul

SEUL - A Coreia do Norte pediu neste sábado, 16 (horário local, amanhã, horário de Brasília), a conclusão de um tratado de paz com os Estados Unidos e o fim dos exercícios militares americanos com a Coreia do Sul para encerrar seu programa de testes nucleares.

O Estado isolado busca há muito tempo um tratado de paz com os EUA, bem como o fim dos exercícios da Coreia do Sul com os Estados Unidos, que têm cerca de 28,5 mil soldados posicionados na Coreia do Sul.

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un

Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un

"Ainda são válidas todas as propostas para preservar a paz e a estabilidade na península e no nordeste da Ásia, incluindo aquelas para cessar nossos testes nucleares e a conclusão de um tratado de paz em troca de os EUA pararem os exercícios militares conjuntos", disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país, segundo a agência de notícias oficial da Coreia do Norte, a KCNA.

As duas Coreias permanecem em estado técnico de guerra uma vez que o conflito de 1950-1953 terminou com uma trégua, e não um tratado de paz. A Coreia do Norte anunciou no dia 6 que havia testado uma bomba de hidrogênio, o que gerou condenação de seus vizinhos e dos Estados Unidos.

Especialistas expressaram dúvidas de que o quarto teste nuclear norte-coreano tenha sido de fato com uma bomba de hidrogênio, já que a explosão teve praticamente a mesmo intensidade do teste anterior do país com uma menos potente bomba atômica, em 2013. O regime de Pyongyang está sob sanções da ONU sobre seus programas nucleares e de mísseis. / REUTERS 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX