Coreia do Norte promete resposta a confronto naval

A Coreia do Norte acusou hoje os militares da Coreia do Sul de provocarem o tiroteio naval anteontem, no Mar Amarelo, com a suposta intenção de aumentar as tensões na península. "As forças da Coreia do Sul pagarão um preço alto pela grave provocação que perpetraram", disse a agência estatal de notícias da Coreia do Norte, a KCNA, reproduzindo jornais norte-coreanos.

AE-AP, Agencia Estado

12 Novembro 2009 | 16h37

Cada parte culpou a outra pela troca de fogo perto da disputada fronteira marítima no Mar Amarelo, que ocorreu apenas uma semana antes da visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a Seul. A Coreia do Sul enviou um destroier equipado com torpedos e mísseis guiados para perto da fronteira marítima, disseram fontes militares, em adição a dois barcos de patrulha.

"Nosso princípio imutável é nenhum perdão e punição implacável para os fomentadores de guerras, que desrespeitem a dignidade e a soberania da nossa república", disse a agência norte-coreana. O comunicado da KCNA não especifica como o Norte punirá o Sul.

O "Rodong Sinmun", jornal oficial do governo comunista, disse que o incidente não foi intencional "mas uma provocação deliberada" dos militares da Coreia do Sul para aumentar a tensão e prejudicar as relações na Península.

Já Seul diz que o navio norte-coreano cruzou a fronteira marítima, ignorou os cinco disparos de advertência e abriu fogo diretamente contra o barco sul-coreano que havia feito a advertência. Os sul-coreanos dizem que dispararam de volta e que o barco norte-coreano pegou fogo. Tanto os militares do Sul quanto do Norte exigem desculpas dos congêneres. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.