KRT via AP Video
KRT via AP Video

Pyongyang realiza parada militar na véspera da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno

‘Somos capazes de mostrar ao mundo nossa estatura de potência militar de classe mundial’, disse o líder Kim Jong-un diante de uma multidão reunida na praça Kim Il-sung

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 02h37
Atualizado 08 Fevereiro 2018 | 09h53

SEUL - A Coreia do Norte celebrou uma parada militar em Pyongyang nesta quinta-feira, 8, em uma demonstração de força na véspera da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno na cidade sul-coreana de Pyeongchang.

+ Papa elogia desfile conjunto das delegações de Pyongyang e Seul na abertura dos Jogos de Inverno

Diante de uma multidão empolgada reunida na praça Kim Il-sung para o desfile, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, declarou: "Nós somos capazes de mostrar ao mundo nossa estatura de potência militar de classe mundial".

+ Irmã de Kim Jong-un visitará Coreia do Sul durante Jogos de Inverno

Pyongyang aproveitou a grande projeção midiática dos jogos de Pyeongchang, enviando para a Coreia do Sul um grupo de artistas, centenas de animadoras de torcida, atletas e até a irmã de Kim.

Ao contrário do último desfile militar, realizado em abril, a emissora oficial norte-coreana não transmitiu o evento ao vivo. "Tivemos conhecimento de que o Norte realizou um desfile militar na praça Kim Il-sung em Pyongyang", disse uma fonte do governo sul-coreano.

Nas imagens divulgadas pela Coreia do Norte, viam-se caminhões cheios de soldados que se afastavam do centro da cidade depois de terem participado do desfile. Atrás deles, seguiam tanques e outros veículos.

Em janeiro, Pyongyang anunciou que neste ano celebraria o 70.º aniversário de seu Exército no dia 8 de fevereiro, em vez de 25 de abril. A notícia surpreendeu as capitais estrangeiras após a mudança diplomática do regime norte-coreano, que aproveitou a Olimpíada para estender a mão ao vizinho do Sul.

Segundo analistas, com sua nova estratégia, a Coreia do Norte pretende normalizar seu status de "Estado nuclear de facto". Para alguns especialistas, o país asiático busca, talvez, obter uma redução das sanções internacionais contra seu regime e criar uma divisão na relação entre os aliados Coreia do Sul e EUA.

O Conselho de Segurança da ONU impôs múltiplas sanções a Pyongyang em razão de seus programas nuclear e balístico. Em 2017, a Coreia do Norte disparou mísseis intercontinentais capazes de alcançar o território continental dos EUA e realizou um sexto teste nuclear, o mais potente até agora.

Mudanças

Normalmente, os desfiles militares norte-coreanos reúnem milhares de soldados que marcham junto a centenas de veículos blindados. Nada disso foi detectado nas imagens por satélite dos testes do cortejo, segundo o site americano 38 North.

Para esses eventos, Pyongyang também costuma convidar vários jornalistas estrangeiros, o que também não aconteceu desta vez.

A delegação norte-coreana para os Jogos de Inverno será dirigida por Kim Yong-nam, que ocupa funções com honras de chefe de Estado da Coreia do Norte.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, irá se reunir com a delegação no sábado, de acordo com informações divulgadas pela própria presidência em Seul. "O presidente Moon receberá a delegação norte-coreana e almoçará com ela no dia 10 de fevereiro", declarou Kim Eui-kyeom à imprensa, sem especificar o local do encontro. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.