Kyodo/via REUTERS
Kyodo/via REUTERS

Coreia do Norte realiza exercício militar para comemorar 85 anos da fundação do Exército

Nas últimas semanas, aumentaram as preocupações de que Pyongyang conduziria um outro teste nuclear ou um lançamento de míssil de longa distância como desafio às sanções da ONU

O Estado de S.Paulo

25 Abril 2017 | 02h09
Atualizado 25 Abril 2017 | 08h19

SEUL - A Coreia do Norte conduziu um grande exercício de artilharia nesta terça-feira, 25, para celebrar o 85.º aniversário de fundação de seu Exército, enquanto um submarino americano atracou na Coreia do Sul, em meio a crescentes preocupações sobre os programas nuclear e de míssil de Pyongyang.

O líder norte-coreano Kim Jong-un teria participado das manobras, onde teria testado artilharia de longo alcance, de acordo com fontes do governo citadas pela agência de notícias Yonhap.

A escala do submarino USS Michigan em um porto sul-coreano ocorreu no momento em que um porta-aviões dos EUA navega em direção a águas coreanas e enquanto os principais enviados da Coreia do Sul, Japão e EUA para lidar com questões políticas da Coreia do Norte se encontram em Tóquio.

Nas últimas semanas, aumentaram as preocupações de que a Coreia do Norte conduziria um outro teste nuclear ou um lançamento de míssil de longa distância como desafio às sanções da ONU, talvez no aniversário da fundação de seu Exército nesta terça-feira.

Contudo, ao invés de um teste nuclear ou do lançamento de mísseis, a Coreia do Norte mobilizou um grande número de unidades de artilharia de longo alcance na região de Wonsan, em sua costa leste, para realizar um exercício de artilharia, informou o Exército da Coreia do Sul. Pyongyang tem uma base aérea em Wonsan e mísseis também já foram testados na região.

"A Coreia do Norte está conduzindo um exercício de artilharia de longo alcance em áreas de Wonsan nesta tarde", afirmou a Junta de Chefes de Estado-Maior da Coreia do Sul em comunicado. O Exército de Seul estava monitorando a situação e "se mantendo firmemente preparado", informou. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.