1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Coreia do Norte reativou reator de plutônio, diz Inteligência dos EUA

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 15h 10

País estaria também expandindo sua usina de enriquecimento de urânio; reator de plutônio foi fechado em 2007 como parte das negociações internacionais de desarmamento

WASHINGTON - A Coreia do Norte reativou um reator de produção de plutônio e poderia começar a acumular reservas para o desenvolvimento de uma arma nuclear em "questão de semanas ou meses", afirmou nesta terça-feira, 9, o diretor de Inteligência Nacional dos EUA, James Clapper. 

Ele afirmou ainda que o país está expandindo sua usina de enriquecimento de urânio. Clapper entregou hoje a avaliação anual das agências de inteligência americanas sobre os principais perigos que os EUA enfrentam. 

O diretor de Inteligência Nacional dos EUA, James Clapper, fala ao Senado americano  

O diretor de Inteligência Nacional dos EUA, James Clapper, fala ao Senado americano  

O reator de plutônio foi fechado em 2007 como parte das negociações internacionais de desarmamento entre o país e potências globais. Clapper lembrou que em 2013, Pyongyang anunciou sua intenção de reformar e reiniciar instalações nucleares e incluir a instalação da usina de enriquecimento de urânio em Yongbyon seu reator de produção de plutônio moderado a grafite, o que foi confirmado em setembro. 

De acordo com Clapper, que falou perante à Comissão de Serviços Armados do Senado, os EUA consideram que a Coreia do Norte "ampliou sua usina de enriquecimento de Yongbyon e reiniciou o reator de produção de plutônio".

Além disso, os EUA acreditam que Pyongyang esteve operando esse reator "tempo suficiente para poder começar a recuperar o plutônio do combustível gasto em questão de semanas ou meses", detalhou Clapper.

As declarações de Clapper acontecem depois de a Coreia do Norte lançar, no domingo, um foguete com um satélite de observação terrestre Kwangmyongsong-4, uma ação que a comunidade internacional considera um novo teste encoberto de mísseis balísticos intercontinentais.

Esse satélite lançado entrou em órbita corretamente, segundo informou hoje o Ministério de Defesa da Coreia do Sul, que não pôde verificar se o aparelho está funcionando.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas, reunido de emergência no domingo a pedido da Coreia do Sul, EUA e Japão, condenou o lançamento da Coreia do Norte e anunciou que trabalha para aprovar "o mais rápido possível" uma nova resolução que inclua mais sanções ao país.

O presidente dos EUA, Barack Obama, falou por telefone na noite passada com a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, e também com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, informou hoje a Casa Branca.

Ambas conversas tiveram como objetivo condenar o lançamento do foguete norte-coreano, que representa uma "flagrante violação" de várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Além disso, Obama quis enfatizar a seus colegas da Coreia do Sul e do Japão que os Estados Unidos tomarão "as medidas necessárias" para defender seus aliados na região, de acordo com a Casa Branca.

Nesta segunda-feira, o Pentágono anunciou sua intenção de instalar um moderno sistema antimísseis na Coreia do Sul "o mais rápido possível" como parte de sua resposta à "ameaça" por parte da Coreia do Norte após o lançamento do foguete de longo alcance. / AP e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX