Korea Summit Press Pool via AP
Korea Summit Press Pool via AP

Coreia do Norte suspende reunião com Sul após manobras militares de Seul e Washington

Segundo agência de notícias sul-coreana Yonhap, a KCNA, sua equivalente norte-coreana, teria dito que cúpula de Kim Jong-un e Donald Trump - marcada para 12 de junho - também estaria ameaçada; analistas duvidam de retrocesso em díalogo

O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 16h44
Atualizado 15 Maio 2018 | 19h24

WASHINGTON - A Coreia do Norte suspendeu um encontro de autoridades de alto escalão com a Coreia do Sul, previsto para a quarta-feira, 16, em razão da realização de manobras militares conjuntas entre Seul e Washington que, na sua opinião, vão na contra-mão da tendência de retomada dos laços norte-sul.

Cingapura se prepara para receber cúpula histórica entre EUA e Coreia do Norte

Segundo a agência sul-coreana de notícias Yonhap, a KCNA, agência oficial norte-coreana, também teria afirmado que os exercícios militares ameaçavam a realização, em 12 de junho, de uma reunião história entre Kim Jong-un e o presidente americano, Donald Trump, em Cingapura.

"Estes exercícios dos quais somos alvo, conduzidos na Coreia do Sul, são um flagrante desafio à Declaração de Panmunjom e uma provocação militar intencional que vai no sentido contrário dos desenvolvimentos políticos positivos na Península Coreana", disse a Yonhap, citando a KCNA.

"Os Estados Unidos também terão que realizar cuidadosas deliberações sobre o destino da planejada cúpula da Coreia do Norte-EUA, à luz deste tumulto militar provocativo conduzido em conjunto com as autoridades sul-coreanas."

Encontro de interesses na fronteira entre as Coreias

Apesar da aparente ameaça norte-coreana, os EUA afirmaram que os preparativos para a reunião dos líderes não serão interrompidos. "Seguimos avançando (nos preparativos da cúpula)", disse Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA. Ela disse também que Washington não foi "notificada" da suposta advertência norte-coreana relatada pela Yonhap.

O encontro de quarta-feira entre as autoridades das duas Coreias tinha como objetivo planejar a implementação da declaração assinada em 27 de abril durante a Cúpula Intercoreana no vilarejo fronteiriço de Panmunjom, incluindo as promessas de encerrar formalmente a Guerra da Coreia e buscar uma "completa desnuclearização", informou o Ministério para a Unificação de Seul, que cuida dos contatos com Pyongyang.

A KCNA chamou a "Max Thunder", nome oficial das manobras aéreas entre Seul e Washington que envolveriam bombardeiros B-52, de uma "provocação" e disse não ter outra escolha a não ser suspender as conversas com o Sul.

Nada de novo no front. Especialistas na região acham pouco provável que a Coreia do Norte cancele a cúpula entre Trump e Kim. “A Coreia do Norte esperou o momento exato das manobras militares para se manifestar”, escreveu em seu site Ankit Panda, especialista em Ásia do Council on Foreign Relations. Segundo ele, as autoridades norte-coreanas sabiam sobre os exercícios há pelo menos dois meses, mas só decidiram reclamar agora, poucas horas antes de uma reunião planejada há quase um mês com a Coreia do Sul na fronteira intercoreana.

Além disso, Pyongyang explicitamente vinculou os exercícios aos EUA e ao futuro das futuras conversas nucleares entre Kim e Trump. “Isso é apenas uma espécie de arrogância diplomática, uma tentativa de testar o governo Trump para ver o quanto eles realmente querem uma reunião”, escreveu Panda.

Um encontro com um presidente dos EUA é um desejo acalentado por décadas por Pyongyang, uma maneira de legitimar um regime tido como pária pelo Ocidente. “É duvidoso que Pyongyang jogue tudo fora menos de um mês antes de realizar um sonho de décadas”, afirmou ao site Vox Jeffrey Lewis, especialista em Coreia do Norte no Instituto Middlebury de Estudos Internacionais. 

Para Lewis, apesar de a Coreia do Norte estar tão perto de conseguir um encontro com Trump não significa que não existam algumas preocupações legítimas. “Eles não vão matar a cúpula, mas claramente algo está acontecendo, alguma coisa desagradou o regime, e com certeza será usada na cúpula com Trump”. / REUTERS, AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.