Jung Yeon-Je/AFP Photo
Jung Yeon-Je/AFP Photo

Coreia do Norte violou armistício para perseguir fugitivo que ia para o Sul; veja vídeo

Comando das Nações Unidas divulgou vídeo em que soldado é visto atravessando a fronteira; cerca de 30 mil norte-coreanos já fugiram para o Sul desde o final da Guerra da Coreia

O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2017 | 03h09
Atualizado 22 Novembro 2017 | 16h48

SEUL - O Comando das Nações Unidas (UNC, na sigla em inglês) afirmou nesta quarta-feira, 22, que a Coreia do Norte violou o acordo de armistício de 1953, que colocou fim à Guerra da Coreia, quando um soldado norte-coreano atravessou a fronteira com a Coreia do Sul para perseguir o soldado que fugiu e foi baleado no último dia 13.

Turista americano é preso ao tentar atravessar fronteira coreana para o Norte

O UNC divulgou um vídeo em que o homem é visto ultrapassando a linha de demarcação enquanto outros soldados disparam contra o desertor, que foi atingido por seis tiros. O coronel Chad G Carroll, do comando, disse que o Norte violou o acordo por "um, ter disparado através da linha de demarcação militar e, dois, ter atravessado temporariamente".

Um comunicado do UNC informou que a Coreia do Norte foi notificada da violação e solicitou uma reunião para discutir os resultados da investigação e as medidas para prevenir futuras violações como essa. Cerca de 30 mil norte-coreanos fugiram para a Coreia do Sul, principalmente pela China, desde o final da Guerra da Coreia.

Soldado passa bem. O soldado norte-coreano que foi baleado por companheiros do exército ao fugir para a Coreia do Sul recuperou a consciência e pediu para ouvir uma música sul-coreana, segundo informou médicos nesta terça-feira, 21.

+Para entender: Os próximos passos da Coreia do Norte e seus programas militares

"Este é o Sul, verdade? Quero escutar ma música sul-coreana", pediu o soldado de quase 20 anos a fim de ter certeza de que tinha conseguido sair do próprio país. De acordo com o Hospital Universitário Ajou (ao sul de Seul), no qual está internado, o soldado não precisa de aparelhos para respirar depois de duas cirurgias, mas ainda não se encontra suficientemente estável para se comunicar com naturalidade ou falar com a imprensa. Os médicos pretendem deixá-lo ainda na unidade de terapia intensiva por alguns dias para prevenir possíveis infecções.

O soldado utilizou um carro, a princípio, para fazer o cruzamento das fronteiras, mas teve de deixá-lo para trás após uma das rodas emperrar numa vala Quando começou a correr, soldados norte-coreanos dispararam mais de 40 tiros, sendo que seis atingiram o fugitivo. O incidente ocorreu às 16h (4h em Brasília) na Área de Segurança Conjunta (JSA) de Panmunjom, o único lugar da linha de demarcação militar onde, teoricamente, soldados das duas Coreias se veem frente a frente. /EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.