1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Coreia do Sul e EUA iniciam suas maiores manobras militares conjuntas

- Atualizado: 07 Março 2016 | 12h 47

Países realizarão exercícios militares em março e abril que incluirão o treinamento de estratégias de combate nunca antes ensaiadas para simular inutilização de armas de destruição em massa

SEUL - Coreia do Sul e Estados Unidos iniciaram nesta segunda-feira, 7, manobras militares conjuntas que serão as maiores já realizadas pelos dois países até o momento, em um ambiente de grande tensão, depois que a Coreia do Norte ameaçou realizar "ataques preventivos" contra os dois aliados.

Os exercícios anuais Key Resolve e Foal Eagle, orientados a coordenar a defesa de Seul e Washington perante um eventual conflito com a Coreia do Norte, se prolongarão até o dia 18 de março e 30 de abril respectivamente, anunciaram as Forças dos EUA na Coreia do Sul (USFK) em comunicado.

Soldados sul-coreanos realizam manobras na região de Paju, perto da fronteira com a Coreia do Norte

Soldados sul-coreanos realizam manobras na região de Paju, perto da fronteira com a Coreia do Norte

Os exercícios deste ano estão marcados pelas ameaças do regime de Kim Jong-un, que prometeu nesta segunda responder com "ataques preventivos" e afirmou contar com alvos militares sul-coreanos "dentro de seu alcance", assim como com bases americanas na Ásia-Pacífico.

Cerca de 17 mil militares americanos no total participarão de ambos os exercícios, segundo o comunicado. As manobras serão as de maior escala executadas até o momento na península coreana, segundo anteciparam autoridades de Seul e Washington, e envolverão também de maneira conjunta mais de 300 mil militares sul-coreanos.

As forças dos dois países testarão estratégias de combate conjuntas não ensaiadas até o momento e incluirão o exercício OPLAN 5015, que simula a inutilização das armas de destruição em massa do inimigo e a preparação das tropas para um ataque preventivo. 

Ameaças. "As manobras militares conjuntas organizadas pelos inimigos são encaradas como exercícios de guerra nuclear não dissimulados destinados a minar a soberania (da Coreia do Norte), sua resposta militar será efetuar ataques nucleares preventivos e ofensivos", informou em comunicado o regime comunista.

Em uma declaração divulgada na sexta-feira pela agência oficial KCNA, o líder norte-coreano Kim Jong-un já deu o tom, depois da adoção de sanções na ONU: "Devemos estar sempre prontos, a cada instante, para utilizar nosso arsenal nuclear".

A retórica belicosa é uma constante do regime mais isolado do mundo quando as tensões aumentam com Seul. Pyongyang dispõe certamente de um pequeno arsenal de ogivas nucleares, mas os especialistas estão divididos quanto a sua capacidade para instalá-las em mísseis.

A Comissão de Defesa Nacional afirma que planos de "ataque nuclear preventivo em nome da justiça" foram elaborados pelo Comando Supremo do Exército Popular Coreano, validados por Kim, e estão prontos para ser aplicados "mesmo no caso da mínima ação militar" dos inimigos do Norte.

"O ataque nuclear às cegas (...) mostrará claramente aos entusiastas da agressão e da guerra a determinação" do Norte, prossegue a Comissão.

Os alvos, afirma, podem ser sul-coreanos, mas os ataques também podem apontar contra as bases americanas da região Ásia-Pacífico e inclusive Estados Unidos.

"Se apertarmos os botões para aniquilar nossos inimigos (...), todas as origens das provocações ficarão reduzidas em um instante a oceanos de chamas e cinzas", acrescenta.

Os lançamentos de foguetes permitiram avançar com o programa norte-coreano de mísseis balísticos, mas a maioria dos especialistas pensam que Pyongyang não domina a tecnologia de entrada na atmosfera, depois da fase de voo balístico, que seria necessária para alcançar um território tão distante quanto os Estados Unidos. / EFE e AFP

As mais recentes provocações da Coreia do Norte
REUTERS/KCNA
As mais recentes provocações da Coreia do Norte

Coreia do Norte lança míssil após ONU impor novas sanções à Pyongyang; ação foi a mais recente em uma série de provocações do regime de Kim Jong-un a vizinha Coreia do Sul e seus aliados, como os Estados Unidos

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX