1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Correa vê novo 'Plano Condor' contra esquerda sul-americana

- Atualizado: 18 Março 2016 | 17h 04

Segundo presidente, os protestos contra Dilma Rousseff, no Brasil, Nicolás Maduro, na Venezuela, e ele próprio, no Equador, são evidências de um movimento politicamente coordenado

QUITO - O presidente do Equador, Rafael Correa, disse  nesta sexta-feira, 18, que há em curso uma reedição do Plano Condor na América Latina, desta vez destinado a derrubar governos de esquerda na região. Segundo o líder equatoriano, os protestos contra a presidente Dilma Rousseff, no Brasil, Nicolás Maduro, na Venezuela, e ele próprio, em Quito, são evidências de um movimento politicamente coordenado. 

"Vocês acham que é coincidência? É um novo Plano Condor (aliança entre as ditaduras militares sul-americanas nos anos 70 para prender militantes de esquerda)", disse Correa em entrevista à TV Pública equatoriana. "As ditaduras militares não são mais necessárias. Precisam de juízes submissos e de uma imprensa corrupta, que inclusive publica conversas privadas, o que é absolutamente ilegal."

Presidente do Equador, Rafael Correa, participa de velório de militares mortos em acidente aéreo  

Presidente do Equador, Rafael Correa, participa de velório de militares mortos em acidente aéreo  

O presidente ainda disse que as derrotas eleitorais da presidente Cristina Kirchner, na Argentina, e de Evo Morales, no referendo constitucional na Bolívia, fazem parte do suposto complô. 

"É muito grave o que está acontecendo no Brasil. Querem romper a ordem constitucional e derrubar uma presidente eleita democraticamente", acrescentou o presidente. " É a judicialização da política. Um juiz não  tem a legitimidade democráica para derrubar um governo. 

O Plano Condor consistiu numa aliança nos anos 70 entre as ditaduras militares do Cone Sul ( Chile, Argentina, Uruguai e Brasil), que colaboraram entre si para caçar militantes de esquerda exilados nos países vizinhos. / AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX