1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cresce atrito entre Grécia e Áustria sobre imigrantes

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 22h 15

Governo de Alexis Tsipras se recusa a receber em Atenas a ministra austríaca do Interior

O atrito diplomático entre os governos da Grécia e da Áustria em torno da crise imigratória na Europa cresceu nesta sexta-feira, quando o governo do primeiro-ministro Alexis Tsipras se recusou a receber a ministra austríaca do Interior, Johanna Mikl-Leitner. 

A decisão foi o segundo atrito político entre os dois países em 48 horas, depois que Atenas intimou a embaixadora grega em Viena para buscar esclarecimentos sobre uma reunião realizada por países dos Bálcãs, sem que a Grécia fosse convidada para o ato.

Refugiados acampam em praça do centro de Atenas

Refugiados acampam em praça do centro de Atenas

Nas últimas semanas, Atenas tem sido acusada de abrir as portas da União Europeia à entrada de imigrantes, em especial sírios, iraquianos e afegãos, que chegam vindos da Turquia. Uma vez no Espaço Schengen, a área de livre circulação de pessoas no bloco, os estrangeiros conseguem atravessar fronteiras e circular em outros países, nos quais podem registrar pedidos de asilo ou refúgio político. 

Países como a Hungria e a Áustria, corredores de passagem para a Alemanha e a Escandinávia, já informaram Bruxelas que pretendem fechar suas fronteiras com a Grécia se a crise persistir na primavera europeia – quando as temperaturas mais amenas devem influenciar em um aumento do fluxo de imigrantes. 

Na quinta-feira, em uma reunião de ministros do Interior, Johanna Mikl-Leitner chegou a questionar a permanência grega no Espaço Schengen. “Se as fronteiras exteriores da Grécia não podem ser protegidas, ainda podemos considerá-las como as fronteiras de Schengen”, afirmou.

Nesta sexta-feira, o ministro grego de Política Migratória, Yannis Mouzalas, voltou a criticar o governo austríaco, acusando a ministra de acentuar as divergências entre os dois países. Por sua vez, Johanna Mikl-Leitner publicou um comunicado no qual afirma estar disponível para viajar a Atenas no futuro e discutir a proteção de fronteiras com o governo de Tsipras.

O impasse não resolve a questão mais emergencial para a União Europeia: a intensificação do patrulhamento no Mar Egeu, entre a Grécia e a Turquia, pela Agência Europeia de Fronteiras Exteriores (Frontex). Essa é uma das alternativas defendidas por Bruxelas para enfrentar a perspectiva de uma nova onda migratória que se desenha. 

Segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), 102 mil migrantes já chegaram à Grécia só em 2016, no auge do inverno, quando o fluxo de estrangeiros foi menor em razão do frio rigoroso ao longo da chamada Rota dos Bálcãs. 

Guerra civil. O governo da Turquia, um dos países que mais recebem imigrantes vindos de países em conflito e cruzam o território rumo ao Espaço Schengen, afirmou ontem que a crise vai piorar a menos que os ataques realizados pelo governo da Síria contra grupos rebeldes sejam encerrados. 

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta sexta-feira por meio de seu porta-voz e assessor, Ibrahim Kalin, que o governo da Turquia já deportou 3.800 pessoas como parte dos esforços de combate ao Estado Islâmico. Barcos improvisados de imigrantes deixam a costa turca diariamente rumo a destinos como a Grécia. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX