REUTERS/Nacho Doce
REUTERS/Nacho Doce

Criança venezuelana é atacada em Roraima

Vítimas foram levadas para o hospital e a menor sofreu queimaduras de segundo grau em várias partes do corpo

Cyneida Correia, especial para O Estado / Boa Vista, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2018 | 11h30

BOA VISTA - Uma criança venezuelana de 3 anos e seus pais ficaram gravemente feridos na quinta-feira 8 em Roraima após desconhecidos jogarem uma bomba caseira dentro da casa onde estavam abrigados. As vítimas foram levadas para o hospital e a menor sofreu queimaduras de segundo grau em várias partes do corpo.

+ Venezuelanos que estão em Roraima serão distribuídos por SP, PR, AM e MS, diz Jungmann

Na segunda-feira, um caso parecido ocorreu no mesmo bairro. Imagens de câmeras de segurança flagraram um homem jogando gasolina e ateando fogo em direção à varanda de uma casa onde vivem 31 venezuelanos. Uma imigrante que dormia com outra pessoa em uma rede teve queimaduras de segundo grau no rosto, pescoço e costas.

+ Colômbia impõe travas à entrada de novos refugiados venezuelanos

No local do ataque de quinta-feira viviam seis adultos e sete crianças, que estavam dormindo quando foram atacados. A família veio de Maturi, na Venezuela, onde venderam casa e bens para custear as passagens. “Antes da crise, a vida era maravilhosa. Depois, não tínhamos hospital, educação e comida. Por isso, fugimos para o Brasil”, explicou Jankely Vasquez, de 29 anos, que vende bananinhas na rua para sobreviver.

A secretária de Segurança Pública de Roraima, Giuliana Castro, afirmou que o crime está sendo apurado pela Delegacia Geral de Homicídios. “Vamos verificar se é um caso de xenofobia contra venezuelanos. Não é o primeiro caso de ataque com coquetel molotov contra venezuelanos e, se for considerado um crime de ódio, haverá punição” declarou.

Mais conteúdo sobre:
Venezuela [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.