1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Criminosos lucram com a guerra síria

- Atualizado: 20 Março 2016 | 05h 00

Com infraestrutura e cumplicidade de autoridades, contrabandistas tiraram € 4 bilhões de refugiados em 2015, 10% do PIB da Síria

GENEBRA - Dados colhidos por investigadores da Frontex - a agência de fronteiras da União Europeia (UE) - mostraram que em 2015 grupos criminosos retiraram de famílias de refugiados e imigrantes o equivalente a 10% do PIB da Síria para levá-los para o território europeu. O pagamento para o contrabando, às vezes com cumplicidade de autoridades, chegou a € 4 bilhões. 

No ano passado, 1 milhão de refugiados entraram no território europeu: a grande maioria, da Síria. Mas, para os investigadores, é a forma pela qual essas pessoas cruzam as fronteiras que chama a atenção. 

 

Diante de uma Europa que não consegue estabelecer uma estratégia para lidar com o fluxo, o caminho é literalmente ocupado por grupos criminosos que vendem os serviços de transporte, contrabando, documentos e até mapas às famílias tentando escapar da morte. 

Nos últimos dias, líderes europeus têm insistido que o plano da UE para lidar com os refugiados precisa também reprimir os grupos de traficantes de pessoas. Mas, para organizações humanitárias como Médicos Sem Fronteira (MSF) e mesmo a ONU, a existência desses serviços clandestinos é resultado do fracasso da Europa em oferecer soluções a quem tenta fugir. 

O problema, segundo a Frontex, é que “a maioria dos lucros dos migrantes contrabandeados é usado por organizações criminosas para financiar outras iniciativas ilícitas, como venda ilegal de drogas e de armas”. 

Por pessoa, o custo de sair da Turquia e chegar à Alemanha, por exemplo, pode variar entre € 2 mil e € 5 mil. Em parte, esse dinheiro tem alimentado e fortalecido o crime internacional. 

Para conseguir retirar o máximo de benefícios e diante da concorrência para controlar as rotas, os grupos de contrabandistas passaram a agir de forma “profissional”, a organizar trajetos e fechar acordos com autoridades locais. 

A principal rota é a que liga Turquia e Grécia. Em 2015, 870 mil pessoas usaram esse trajeto e o número de grupos contrabandistas também se proliferou. “Cada uma dessas redes controla uma área de ponto de partida específica”, explicou a Frontex, apontando para diferentes grupos de Izmir, Bodrum e Istambul.

 

Segundo as investigações, os grupos ainda se dividem por nacionalidades de migrantes e organizam o transporte das cidades até os portos turcos de onde os barcos partem para cruzar o mar até a Grécia. 

Além do transporte, os grupos oferecem informações sobre o processo de asilo na Europa e até documentos falsos. Segundo a Frontex, a maior demanda é por passaportes sírios, além de cartas de identificação, certificados de nascimento e carteira de motoristas. Na Europa, os migrantes sabem que, hoje, apenas poderão ficar se provarem que estão fugindo da guerra na Síria. 

As ilhas de Chios e Lesbos, na Grécia, são os principais destinos das travessias feitas, na maioria das vezes em barcos de borracha. Para essa modalidade, os preços variam entre 500 e mil euros por pessoa. Mas, para as famílias mais ricas, os contrabandistas também oferecem barcos maiores a € 10 mil. Quando o clima está ruim para a travessia, os contrabandistas chegam a oferecer descontos de até 50% aos refugiados.

Líbia. Outra rota com uma rede de traficantes cada vez mais organizada é a que liga a Líbia ao sul da Europa. Hoje, os grupos criminosos contam com cidadãos líbios oferecendo seus serviços aos migrantes, ex-combatentes, milícias e mesmo homens das forças regulares. 

Com operações de transporte cada vez maiores, com centenas de passageiros, as viagens passaram a ter verdadeiros administradores, e são, muitas vezes, perigosas. 

Testemunhas disseram à Frontex que traficantes violentos, cruéis, cometeram abusos sexuais em barcos e obrigaram dezenas de pessoas a realizar pagamentos com pistolas apontadas para suas cabeças. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX