1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Crise faz UE repensar controle de fronteiras

- Atualizado: 09 Janeiro 2016 | 18h 11

Refugiados, aumento do terrorismo e populismo ameaçam livre circulação

Um dos mais sólidos pilares da União Europeia, a área de livre circulação de cidadãos de 26 países está mais ameaçada do que nunca em virtude da crise imigratória, terrorismo e pressão de partidos populistas e de extrema direita. A turbulência é a maior em 30 anos, desde a assinatura do acordo, e foi ampliada nessa semana pela retomada de controles de fronteira entre a Suécia e a Dinamarca, países que, como França e Alemanha, adotaram a inspeção. Para especialistas em integração do continente, o risco de desmoronamento é real.

Os controles vêm retornando às fronteiras europeias há pelo menos quatro anos. Ainda no governo de Nicolas Sarkozy na França, uma emenda ao Tratado de Schengen foi votada permitindo o retorno eventual, provisório e com duração máxima de seis meses, das verificações de imigração entre países europeus. A brecha das circunstâncias excepcionais foi usada pelo próprio governo de Nicolás Sarkozy para impedir o ingresso em território francês de imigrantes africanos que atravessavam o Mar Mediterrâneo e chegavam ao continente via Itália.

Hungria reforça fronteira para conter refugiados
REUTERS/David W Cerny
Hungria reforça fronteira

Imigrantes caminham sob trilhos de trem enquanto seguem em direção à fronteira com a Áustria

Com a crise imigratória, vários países do Leste Europeu implantaram a verificação alegando o descontrole nas fronteiras exteriores do bloco. A própria Alemanha de Angela Merkel optou pela medida em setembro, uma vez que foi sobrecarregada pela chegada de refugiados sírios, iraquianos e afegãos no verão europeu de 2015. 

Controle. O que se aprofundou nessa semana foi o risco de que a medida deixe de ser transitória e emergencial e subverta, na prática, o princípio da livre circulação. A adoção de controles sistemáticos na fronteira da Suécia com a Dinamarca em 4 de janeiro, por exemplo, levou Copenhague a também adotar a medida, desta vez em relação às portas com a Alemanha. 

Por ora, países como Espanha, Portugal, Itália, Grécia e Polônia continuam sendo a maioria, e não realizam controles. Outros se dividem em controles aleatórios e sistemáticos. O certo é que o risco de desmoronamento do Espaço Schengen é grande. “Schengen é muito importante, mas está em perigo”, reconheceu o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, Martin Schäfer. 

Ao Estado o cientista político Philippe Moreau-Defarges, expert do Instituto Francês de Relações Internacionais (IFRI), de Paris, confirmou o perigo. “O Espaço Schengen está ameaçado. As administrações nacionais, como a alemã, estão submersas pelos problemas da imigração e há governos, em especial o da Hungria, que estão deliberadamente decididos a quebrar a livre circulação”, disse. 

Para Moreau-Defarges, a instabilidade foi acentuada pela crise de longo prazo na bacia mediterrânea e no Oriente Médio, intensificada pela incapacidade dos líderes europeus de gerenciarem a turbulência. “Agora isso é um risco real à UE.” 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX