REUTERS/Kamil Krzaczynski
REUTERS/Kamil Krzaczynski

Cruz e Sanders ganham fôlego após vitórias em Wisconsin

Senadores diminuem vantagem de Trump e Hillary na corrida eleitoral republicana e democrata, respectivamente

O Estado de S. Paulo

05 Abril 2016 | 22h56

WASHINGTON - Os senadores Ted Cruz, republicano, e Bernie Sanders, democrata, venceram ontem à noite as primárias do Estado de Wisconsin. O resultado dá novo fôlego para a campanha de ambos os pré-candidatos à sucessão do presidente Barack Obama.

Cruz persegue o líder da corrida republicana, o magnata Donald Trump, enquanto Sanders tenta superar a ex-secretária de Estado Hillary Clinton e obter a indicação do Partido Democrata.

“Foi a noite da virada”, disse Cruz em discurso na cidade de Milwaukee. “Seja antes da convenção ou durante a convenção, nós conseguiremos a maioria de delegados e venceremos Hillary Clinton em novembro”, afirmou o senador, em referência à Convenção do Partido Republicano, marcada para Cleveland, dia 18 de julho. 

Trump respondeu. “Cruz é pior que um fantoche. Ele é um Cavalo de Troia usado pelos chefões do partido para roubar a indicação de Trump”, disse a campanha do magnata, em comunicado, logo após a derrota.

 

 “Com a vitória em Wisconsin, vencemos sete das últimas oito prévias”, afirmou Sanders, em comício no Estado de Wyoming – próxima parada na disputa democrata, cujas primárias ocorrem no sábado. “O que move esta campanha é ter começado 60 pontos atrás de Hillary e estar, nas últimas semanas, um ponto atrás ou um ponto na frente.”

Com cerca de 70% dos votos apurados em Wisconsin, SAnders vencia Hillary por 56% a 44% dos votos. No lado republicano, com a apuração no mesmo ponto, Cruz derrotava Trump por 50% a 33% dos votos – o governador de Ohio, John Kasich, tinha 14%. 

Mesmo com a derrota, Trump manteve a liderança em número de delegados, mas com uma diferença menor: 740 a 504 sobre Cruz. Kasich está em um distante terceiro lugar, com 145 delegados – ganha a indicação do partido quem obtiver 1.273 delegados. 

Do lado democrata, apesar da derrota de ontem, Hillary subiu para 1.770 delegados, mas Sanders encurtou a vantagem e agora tem 1.091 delegados – vence quem obtiver 2.383.

As próximas primárias importantes ocorrerão em Nova York e favorecem Trump e Hillary. Ambos lideram as pesquisas locais com folga e consideram o Estado como um reduto político. As prévias nova-iorquinas ocorrem no dia 19 e distribuirão 95 delegados, para os republicanos, e 247 para os democratas. Antes, no sábado, Hillary e Sanders disputam 14 delegados nas primárias de Wyoming.

De acordo com analistas, o calendário, daqui para frente, tende a favorecer mais o magnata e a ex-primeira-dama americana. A demografia de Estados importantes, como Nova York, Pensilvânia, Indiana, Califórnia e New Jersey seria um terreno mais sólido tanto para Trump quanto para Hillary. / REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.