1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cruz reduz vantagem de Trump e ganha atenção da cúpula republicana

- Atualizado: 06 Março 2016 | 19h 44

Elite da legenda, que antes via o senador do Texas com desprezo em razão da posição conservadora e proximidade com o Tea Party, agora vê no pré-candidato a esperança de barrar a nomeação do magnata como representante da legenda em novembro

 WASHINGTON - Desprezado pela elite do Partido Republicano por sua intransigência e extremo conservadorismo, o senador Ted Cruz emergiu no fim de semana como a principal esperança dessa mesma elite para barrar o magnata Donald Trump na disputa pela candidatura da legenda à Casa Branca. 

O senador pelo Texas venceu duas das quatro prévias eleitorais realizadas do sábado, terminou em um forte segundo lugar nas outras duas e reduziu para 82 a diferença no número de delegados que o separa do bilionário.

O republicanoTed Cruz vota no Texas durante a Superterça acompanhado da filha Catherine

O republicanoTed Cruz vota no Texas durante a Superterça acompanhado da filha Catherine

Os resultados mostraram uma mudança no humor do eleitorado e o aumento do apoio a Cruz entre os que decidiram em quem votar no dia das prévias. Também revelaram a fragilidade da candidatura de Marco Rubio, o senador pela Flórida que o establishment republicano esperava transformar no anti-Trump. Rubio viu parte de seus eleitores migrarem para Cruz e enfrenta pressão crescente dos adversários para abandonar a disputa.

Com o resultado de sábado, Trump passou a ter 382 delegados e Cruz, 300. Rubio aparece em terceiro lugar, com 128, seguido do governador de Ohio, John Kasich, que tem 35. A temporada de prévias terá um capítulo crucial no dia 15, quando cinco Estados definirão seus candidatos na votação que deixará de ser proporcional. Quem vencer levará todos os delegados. O embate mais importante será na Flórida, base eleitoral de Rubio, onde Trump lidera as pesquisas de intenção de voto. Estarão em jogo 99 delegados, o terceiro maior número depois de Califórnia e Texas.

A estratégia da liderança do Partido Republicano é impedir que o bilionário chegue aos 1.237 delegados necessários para vencer a convenção da legenda, em julho. Assim, o candidato será definido em votação durante o evento. A expectativa do establishment é que um dos adversários de Trump ou um novo candidato conquiste o apoio da maioria dos delegados.

No sábado, Cruz venceu em Kansas e no Maine, enquanto Trump ficou em primeiro lugar em Kentucky e Louisiana. Mas a distância entre eles nos Estados vencidos pelo bilionário foi pequena. Em Louisiana, Trump teve 41% dos votos e Cruz, 38%, e eles tiveram o mesmo número de delegados: 18. Em Kentucky, a diferença foi de 36% a 32%.

O mais importante para Cruz foi o contraste entre os eleitores que votaram antecipadamente (algo permitido nos EUA) e os que foram às urnas no sábado. Em Louisiana, Trump teve 48% de apoio entre os que votaram antes do dia das primárias. Cruz teve 23%, seguido de Rubio, com 20%. A vantagem de Trump diminuiu no sábado, com a migração de parte de seus votos para Cruz, que se beneficiou principalmente da conquista de eleitores de Rubio, que terminou com 11% dos votos, quase metade do registrado nos votos antecipados.

Identificado com o movimento de extrema direita Tea Party, Cruz é o senador mais conservador do Congresso dos EUA. Em 2013, ele liderou o movimento que levou ao fechamento do governo por 16 dias, ao condicionar a aprovação do Orçamento à retirada de financiamento do Obamacare. Cruz é um crítico feroz da liderança do Partido Republicano e era considerado um insurgente contra os nomes preferidos pelo establishment. Mas o avanço de Trump deve levar a elite da legenda a apoiar Cruz. Na semana passada, o candidato republicano à presidência em 2012, Mitt Romney, defendeu a indicação de qualquer candidato que disputa com o bilionário. 

Votações na Superterça
Cláudia Trevisan / Estadão
Votações na Superterça

Americanos vão às urnas para a chamada Superterça, quando se define o maior número de delegados às convenções partidárias

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX