J Pat Carter/AFP
J Pat Carter/AFP

Cruz tenta se mostrar como único capaz de vencer Trump antes das prévias em Wisconsin

Pesquisas de opinião revelam que Cruz conquistou uma vantagem sobre o favorito Trump, e que John Kasich, governador de Ohio, está em terceiro lugar

O Estado de S. Paulo

05 Abril 2016 | 12h15

MILWAUKEE, EUA - O pré-candidato republicano à presidência dos EUA Ted Cruz parece prestes a vencer o adversário Donald Trump no Estado do Wisconsin nesta terça-feira, 5, e se apresentar como uma figura agregadora para os eleitores republicanos, apesar de uma passagem pelo Senado marcada por disputas acirradas e posturas inflexíveis.

Senador do Texas em primeiro mandato, Cruz está tentando se mostrar como o único pré-candidato republicano ainda na corrida com chance de bater Trump e obter a indicação presidencial do partido, e como a melhor escolha para os correligionários que não conseguem se convencer a votar no magnata de Nova York.

Pesquisas de opinião em Wisconsin revelam que ele conquistou uma vantagem sobre o favorito Trump, e que John Kasich, governador de Ohio, está em terceiro lugar. "O país inteiro está olhando para o Wisconsin", disse Cruz na segunda-feira. "O que estamos vendo no Wisconsin é a unidade do Partido Republicano se manifestar".

Trump chamou sua esposa, Melania, ao palco na noite de segunda-feira na cidade de Milwaukee, em um esforço aparente para melhorar sua imagem junto às mulheres, as quais - segundo pesquisas - mostraram rejeitá-lo. "Não importa quem você é, homem ou mulher, ele trata todos como iguais", afirmou ela à plateia.

Posar de figura agregadora dos republicanos é um papel improvável para Cruz, que em 2013 forçou uma interdição do governo dos EUA durante seis dias em função de uma desavença com o presidente americano, Barack Obama, em relação ao orçamento. Os republicanos levaram a culpa pela interdição, e o relacionamento de Cruz com seus correligionários no Senado tem sido tempestuoso desde então.

Mas a indisposição de muitos contra Trump é tamanha que Cruz agora pode contar com o apoio de cinco ex-postulantes à indicação republicana, entre eles o senador Lindsey Graham, da Carolina do Sul, que no início deste ano disse que a escolha entre Trump e Cruz "é como ser baleado ou envenenado".

Na corrida democrata, Bernie Sanders, senador do Vermont, tem uma pequena dianteira sobre a favorita Hillary Clinton nas sondagens de Wisconsin, e tenta fortalecer o ímpeto que ganhou depois de vencer cinco das seis últimas prévias partidárias. Mesmo assim, será uma tarefa dura derrotar a ex-secretária de Estado e conquistar a indicação do partido para a eleição presidencial do dia 8 de novembro. /REUTERS

Mais conteúdo sobre:
eleições nos EUA Ted Cruz Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.